Sensor desacelera a 47,4 pontos em março, diz Fiesp

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 31/03/2020 às 11:55

O Sensor da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) caiu a 47,4 pontos em março, de 51,3 em fevereiro, na série com ajuste sazonal, informou nesta terça-feira, 31, a entidade. O indicador cruzou a linha dos 50 pontos, que separa a zona de pessimismo e otimismo para a indústria do Estado.

O nível alcançado em março é o menor para as perspectivas da indústria desde dezembro de 2018, quando o Sensor atingiu 46,8 pontos. Nesta divulgação, a Fiesp também revisou para baixo os resultados de fevereiro (de 52,0 para 51,3) e de janeiro (de 50,9 para 50,5).

Na passagem de fevereiro para março, quase todos os indicadores que compõem o Sensor tiveram queda. O índice de Mercado recuou de 51,4 pontos para 44,6, o menor nível desde março de 2016, quando o indicador estava em 43,4 pontos.

O índice de Vendas também caiu, de 52,3 para 46,7 pontos. O indicador de Investimentos recuou de 48,8 pontos para 45,8 pontos, menor nível desde janeiro de 2017 (44,2 pontos).

"O Sensor deste mês está refletindo os primeiros impactos da crise do novo Coronavírus", afirmou a Fiesp, por meio de nota.

O indicador de Emprego foi o único a apresentar melhora, de 48,0 pontos para 50,1, indicando estabilidade no emprego no mês. Já o indicador de estoques atingiu 51,0 pontos, de 55,2 em fevereiro, o que mostra estoques abaixo do desejável em março.



Relacionados

Economia | 30-05-2020 09:01

Governo tem 48h para se manifestar sobre problemas no auxílio emergencial

Governo tem 48h para se manifestar sobre problemas no auxílio emergencial

Economia | 30-05-2020 08:16

Empresas se reúnem para buscar soluções para o pós-pandemia

Empresas se reúnem para buscar soluções para o pós-pandemia

Economia | 30-05-2020 08:10

O brasileiro e o momento econômico atual

O brasileiro e o momento econômico atual

Economia | 30-05-2020 08:02

'Só na 2ª metade da década teremos ritmo pré-covid', afirma Mario Mesquita

'Só na 2ª metade da década teremos ritmo pré-covid', afirma Mario Mesquita