Serviços operam 9,8% abaixo de pico registrado em novembro de 2014, diz IBGE

Estadão Conteúdo
Economia | Publicado em 14/01/2020 às 11:18

Apesar da aparente recuperação nos últimos meses, o volume de serviços prestados ainda opera 9,8% abaixo do patamar mais alto registrado em novembro de 2014 pela Pesquisa Mensal de Serviços, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na série com ajuste sazonal, o segmento de serviços ficou positivo em cinco dos onze meses de 2019 com resultados já divulgados, recuando em outros seis. As taxas foram mais positivas a partir do segundo semestre.

De janeiro a novembro, os serviços avançaram 0,9% ante o mesmo período do ano anterior. A expectativa é que o setor tenha em 2019 o primeiro resultado positivo, depois de quatro anos sem crescimento.

"Para o setor de serviços fechar o ano estável, teria que ter uma queda de ao menos 8,8% em dezembro (ante dezembro de 2018). Para ficar no campo negativo, teria que ter queda superior a 10%. Nem com greve de caminhoneiros aconteceria, o que nem teve", lembrou Rodrigo Lobo, gerente da Pesquisa Mensal de Serviços no IBGE.

Entre 2015 e 2017, o setor de serviços acumulou uma queda de 11%, seguido por uma estabilidade em 2018 (0,0%). "São quatro anos sem taxas positivas", disse Lobo. "Será a primeira alta desde 2014", acrescentou.

Ramos de atividade

De acordo com o IBGE, quatro das cinco atividades do setor de serviços mostraram bom desempenho em novembro deste ano, ante o mesmo mês do ano passado. Na média global, os serviços cresceram 1,8% nesse tipo de comparação, a terceira taxa positiva consecutiva.

O segmento de serviços de informação e comunicação (4,0%) exerceu a contribuição positiva mais relevante, impulsionado pelo aumento na receita das empresas de portais, provedores de conteúdo e ferramentas de busca na Internet; de atividades de TV aberta; de suporte técnico, manutenção e outros serviços em TI; de edição integrada à impressão de livros; de desenvolvimento e licenciamento de programas de computador não customizáveis; e de operadoras de TV por assinatura por cabo.

Os demais avanços ocorreram nos serviços profissionais, administrativos e complementares (2,8%), outros serviços (6,1%) e serviços prestados às famílias (1,3%).

O único resultado negativo foi de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-1,9%), puxado pela menor receita das empresas de transporte rodoviário de carga; de gestão de portos e terminais; e de transporte rodoviário coletivo de passageiros.

O agregado de atividades turísticas teve alta de 3,8% em novembro deste ano ante novembro do ano anterior.

Difusão

O índice de difusão dos serviços, que mostra o porcentual de subsetores investigados com avanços em relação ao mesmo período do ano anterior, passou de 52,4% em outubro para 50,6% em novembro.



Relacionados

Londrina | 04-08-2020 21:30

Shoppings traçam estratégias de retomada até o fim do ano

Shoppings traçam estratégias de retomada até o fim do ano

Cascavel | 04-08-2020 14:55

Inovação no universo digital é tema de webinar gratuita

Inovação no universo digital é tema de webinar gratuita

Economia | 04-08-2020 09:55

Senadores garantem que não aprovarão 'nova CPMF'

Senadores garantem que não aprovarão 'nova CPMF'

Foz do Iguaçu | 03-08-2020 13:18

Itaipu faz nova operação especial para ajudar no escoamento da safra de soja do Paraguai

Itaipu faz nova operação especial para ajudar no escoamento da safra de soja do Paraguai

PUBLICIDADE