Tabela de frete: empresários querem adiar aplicação de multas

Redação Tarobá News
Economia | Publicado em 11/10/2018 às 08:28


 O setor empresarial quer adiar a aplicação de multas para o descumprimento da tabela de frete. A tabela, estabelecida após a greve dos caminhoneiros, fixou valores mínimos a serem pagos pelo frete. 

A aplicação da multa foi criticada durante uma audiência pública que envolveu representantes da indústria, nesta semana. Se posicionaram contra a multa pelo menos três associações brasileiras que dependem do transporte rodoviário, além da confederação nacional da indústria. Eles argumentam que há incongruências na tabela. 

A multa, prevista em lei, deve ser aplicada quando o contratante não pagar o valor do frete previsto na tabela. Segundo o Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos em Cascavel a multa serve como fiscalização para o cumprimento da lei.  A tabela mínima do frete é encarada como uma das principais conquistas dos caminhoneiros após a greve de maio. Com o descumprimento da tabela, os caminhoneiros, que representam 75% do transporte no país, reclamam.

A confederação nacional da indústria já anunciou que deve abrir uma nova ação no STF contra a tabela do frete. Para o Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos, se a tabela for derrubada, a categoria pode fazer nova paralisação. 





Relacionados

Economia | 21-02-2019 15:10

Bolsas da Europa fecham sem sinal único, com foco em balanços e indicadores

Bolsas da Europa fecham sem sinal único, com foco em balanços e indicadores

Economia | 21-02-2019 14:05

É normal pressão por Previdência sobre parlamentares, diz líder do governo

É normal pressão por Previdência sobre parlamentares, diz líder do governo

Economia | 21-02-2019 13:40

Deputados petistas criticam proposta de reforma e questionam existência de rombo

Deputados petistas criticam proposta de reforma e questionam existência de rombo

Economia | 21-02-2019 11:50

Energia elétrica sobe 0,38% no IPCA-15 de fevereiro, após 4 meses de recuo

Energia elétrica sobe 0,38% no IPCA-15 de fevereiro, após 4 meses de recuo