Ataque em cassino nas Filipinas mata 36 pessoas por asfixia

Estadão Conteúdo
Mundo | Publicado em 02/06/2017 às 01:36

Um homem armado com um rifle fez disparos e ateou fogo a um cassino em Manila, capital das Filipinas, nesta sexta-feira, 2, o que provocou a morte de 36 pessoas por asfixia. O atirador encheu uma mochila com fichas de aposta antes de fugir para um hotel nas proximidades, onde foi encontrado morto em um quarto. As autoridades acreditam que ele se suicidou ateando fogo no próprio corpo.

O homem ainda não foi identificado. Testemunhas dizem que ele falava inglês com naturalidade, era branco, alto e usava bigode.

Os corpos foram encontrados em salas do cassino que foram tomadas pela fumaça. Nenhum dos mortos foi atingido por disparos, segundo a polícia de Manila. A única pessoa ferida a bala foi um segurança do local que disparou acidentalmente em si próprio.

O ataque fez com que centenas de pessoas fugissem do complexo Resorts World Manila, onde fica o cassino. Na correria, cerca de 70 pessoas sofreram pequenos ferimentos.

Havia suspeita de ataque terrorista, mas ainda não há clareza sobre a motivação do atirador. "Ele teria atirado em todos os jogadores se fosse terrorismo", disse o chefe da polícia filipina, Ronald dela Rosa. O homem fez disparos contra aparelhos de televisão antes de jogar gasolina em mesas de jogo e atear fogo a elas.

Uma das suspeitas é que o atirador tenha atuado com a intenção de roubar o cassino.



Relacionados

Mundo | 24-06-2019 20:05

Julgamento de extradição de turco exilado no Brasil é adiado no STF

Julgamento de extradição de turco exilado no Brasil é adiado no STF

Mundo | 24-06-2019 07:35

Sobe para 28 o número de mortos em desabamento de edifício no Camboja

Sobe para 28 o número de mortos em desabamento de edifício no Camboja

Mundo | 22-06-2019 20:20

Trump diz que vai determinar novas sanções ao Irã na segunda-feira

Trump diz que vai determinar novas sanções ao Irã na segunda-feira

Mundo | 22-06-2019 11:45

Ministro britânico visitará Irã neste domingo para tratar de tensões com EUA

Ministro britânico visitará Irã neste domingo para tratar de tensões com EUA

PUBLICIDADE