Casa Branca rechaça que Trump avalie demitir líder de investigação sobre Rússia

Estadão Conteúdo
Mundo | Publicado em 13/06/2017 às 18:35

O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, rechaçou sugestões de que ele avalie a possibilidade de demitir o conselheiro especial Robert Mueller. Vários republicanos já advertiram que seria um erro demitir o homem que comanda a investigação sobre a suposta interferência da Rússia na eleição de 2016.

Durante os últimos dias, aliados de Trump têm questionado a independência de Mueller e a necessidade de haver um conselheiro especial. Mas a questão ganhou força na segunda-feira, quando o amigo do presidente e executivo-chefe da Newsmax Media, Chris Ruddy, falou em entrevista à televisão que Trump avalia a demissão de Mueller.

A Casa Branca e um graduado membro do Departamento de Justiça negaram essa possibilidade. O governo apontou que Ruddy não tratou com o presidente do papel de Mueller e que a declaração parecia "especulação".

O vice-procurador-geral, Rod Rosenstein, é o único com autoridade para demitir Mueller. Rosenstein disse que não seguiria nenhuma ordem do governo para demitir Mueller, a menos que houvesse uma razão apropriada e legal. Ele acrescentou estar "confiante" de que Mueller terá "independência suficiente" para realizar a investigação. Fonte: Dow Jones Newswires.



Relacionados

Mundo | 21-05-2018 10:45

Brasil e mais 13 países não reconhecem resultado das eleições na Venezuela

Brasil e mais 13 países não reconhecem resultado das eleições na Venezuela

Mundo | 21-05-2018 10:30

Maduro vence eleição em que menos da metade votou; opositor denuncia fraude

Maduro vence eleição em que menos da metade votou; opositor denuncia fraude

Mundo | 21-05-2018 05:35

Presidente italiano convoca 5 Estrelas e Liga para discutir formação de governo

Presidente italiano convoca 5 Estrelas e Liga para discutir formação de governo

Mundo | 20-05-2018 22:45

Venezuela: oposição diz que centros de votação ficaram abertos após horário

Venezuela: oposição diz que centros de votação ficaram abertos após horário

PUBLICIDADE