Deputado baleado está em estado grave nos EUA e precisará de mais operações

Estadão Conteúdo
Mundo | Publicado em 15/06/2017 às 04:55

Foto: NICHOLAS KAMM / AFP

O deputado republicano Steve Scalise continua em estado crítico e precisará de mais operações, informou no fim da quarta-feira em nota o MedStar Washington Hospital Center. Scalise estava na Virgínia na manhã da quarta-feira quando o ativista de esquerda James Hodgkinson o baleou.

O congressista foi atingido por um único tiro no quadril esquerdo, informou o hospital. "A bala viajou pela pélvis, fraturou ossos, feriu órgãos internos e causou forte sangramento", diz a nota. "Ele passou por cirurgia imediata e precisa de um procedimento adicional para interromper o sangramento."

O presidente dos EUA, Donald Trump, sentou na cama do hospital onde está o deputado e falou com a família dele, durante visita na noite de quarta-feira. O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, disse que o presidente também foi informado pela equipe médica sobre o quadro e ainda conversou com a policial Crystal Griner, baleada no tornozelo durante o ataque.

O presidente e a primeira-dama Melania Trump passaram cerca de meia hora no MedStar Washington Hospital Center. Trump também encontrou policiais do Capitólio reunidos no hospital e os agradeceu por seu trabalho. O presidente foi acompanhado do médico da Casa branca, Ronny Jackson. Fonte: Dow Jones Newswires.



Relacionados

Mundo | 20-01-2019 09:45

Paralisação do governo dos EUA chega a 1 mês e aumenta agonia de servidores

Paralisação do governo dos EUA chega a 1 mês e aumenta agonia de servidores

Mundo | 20-01-2019 09:30

Sobe para 73 número de mortes após explosão em duto de combustível no México

Sobe para 73 número de mortes após explosão em duto de combustível no México

Mundo | 20-01-2019 09:30

Democratas rejeitam nova proposta de Trump e pedem por reabertura do governo

Democratas rejeitam nova proposta de Trump e pedem por reabertura do governo

Mundo | 20-01-2019 09:17

O sucesso editorial de Michelle Obama

O sucesso editorial de Michelle Obama

PUBLICIDADE