Londrina
Cascavel

Tarobá FM

  • Londrina
  • Cascavel

"Diácono da morte" belga admite ter provocado 20 mortes

23/01/18 às 13:00 - Escrito por Redação Tarobá News

O ex-enfermeiro e diácono de uma diocese na região belga de Flandes admitiu no primeiro dia de um processo em Bruges (noroeste) ter provocado a morte de vinte pessoas. Ivo Poppe, de 61 anos e apelidado pela imprensa local de "Diácono da morte", forneceu pela primeira vez uma estimativa do número de suas vítimas, superior às dez mortes atribuídas a ele. "Foram 10 ou 20, 20 no máximo, aproximadamente", respondeu o acusado durante o primeiro interrogatório judicial.

"Queria eliminar o sofrimento de pessoas que já não viviam", afirmou Poppe que expressou arrependimento. "Hoje eu chamaria uma equipe de cuidados paliativos", acrescentou. A maioria de suas vítimas era de idosos, a quem ele decidiu diminuir o sofrimento físico ou psíquico quando trabalhava como enfermeiro em um hospital de Menin, fronteia com a França. O método consistia em administrar grandes doses de valium ou injetar ar nas veias dos pacientes.

Primeiro matou pacientes como enfermeiro, nos anos 1980 e 1990, e depois o fez até 2011, depois de ser ordenado diácono. Durante a investigação, que se baseou em uma lista de 50 mortes suspeitas, admitiu ter reduzido o sofrimento de dois pacientes e de quatro parentes, incluindo sua mãe, mas nega que tenham sido assassinatos e sim "eutanásia ativa". 

Ele foi detido em 2014 depois que seu psiquiatra informou à justiça sobre suas confidências. O julgamento, que deve durar duas semanas, terá 80 testemunhas. Poppe enfrenta a prisão perpétua. Na Bélgica, a eutanásia ativa é autorizada desde 2002 para os pacientes que sofrem de um mal incurável e que tenha feito seu pedido neste sentido de forma voluntária.

Leia mais em Correio do Povo/EFE

© Copyright 2022 Grupo Tarobá