Em encontro com Merkel, premiê da China reafirma compromisso com Acordo de Paris

Redação Tarobá News
Mundo | Publicado em 01/06/2017 às 08:55

O primeiro-ministro da China, Li Keqiang, disse nesta quinta-feira que o país vai permanecer no Acordo do Clima de Paris, à medida que líderes mundiais aguardam a decisão dos Estados Unidos sobre o tema.

"A China é um grande país e nós temos consciência da nossa responsabilidade internacional", afirmou Li em uma coletiva de imprensa ao lado da chanceler da Alemanha, Angela Merkel. "Nós concordamos com as nossas promessas de proteção ao clima feitas em Paris."

O encontro entre Li e Merkel, que lidera a maior economia da Europa, foi uma mostra da cooperação internacional que contrasta com a crítica do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ao multilateralismo.

Executivos alemães e chineses, assim como os premiês dos países, posaram para as câmeras na manhã desta quinta-feira e depois assinaram 11 diferentes acordos de cooperação comercial e científica.

Um dos acordos inclui a parceria entre a alemã Volkswagen e a montadora estatal chinesa Anhui Jianghuai para desenvolver carros elétricos.

O encontro do premiê chinês com a chanceler alemã ocorreu horas depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dizer no Twitter que vai anunciar na tarde desta quinta-feira a decisão dele sobre o acordo climático de Paris.

A expectativa é que o líder americano declare a saída do país do pacto. No acordo, 190 países concordaram em cortar a emissão de gás carbônico, em um esforço para combater as mudanças climáticas. A expectativa é que, no longo prazo, a temperatura global caia mais de 2ºC, o nível pré-industrial. Fonte: Dow Jones Newswires.



Relacionados

Mundo | 21-09-2018 12:10

Três bebês e dois adultos são esfaqueados em creche de Nova York

Três bebês e dois adultos são esfaqueados em creche de Nova York

Mundo | 21-09-2018 11:00

Ao menos 100 morreram após naufrágio de balsa na Tanzânia

Ao menos 100 morreram após naufrágio de balsa na Tanzânia

Mundo | 21-09-2018 10:10

Temendo intervenção, Maduro evita termo 'crise humanitária'

Temendo intervenção, Maduro evita termo 'crise humanitária'

Mundo | 21-09-2018 09:55

Nos EUA, procurador interroga ex-advogado de Trump

Nos EUA, procurador interroga ex-advogado de Trump