Emirados Árabes negam envolvimento em ataque hacker a agência do Catar

Estadão Conteúdo
Mundo | Publicado em 07/06/2017 às 18:01

O ministro do Comércio Exterior dos Emirados Árabes Unidos, Anwar Gargash, negou que o país estivesse por trás do suposto ataque de hackers contra a agência estatal de notícias do Catar.

A agência foi responsável por vazar e-mails do embaixador emiradense nos Estados Unidos, o que agravou a crise nos países árabes, levando ao rompimento de diversos países, liderados pela Arábia Saudita, com o governo de Doha.

Gargash reconheceu, porém, que os e-mails eram verdadeiros, afirmando que as mensagens do embaixador do país árabe nos Estados Unidos expressam as preocupações dos Emirados. "Além de mostrar que o que falamos em nossos e-mails privados é o mesmo que falamos em público", explicou o ministro, que ainda criticou o governo catariano, dizendo que "o período de duplicidade, de fazer algo em público e outra coisa em particular, acabou".

Na mesma entrevista, Gargash elogiou o presidente americano, Donald Trump, ao citar que os tuítes dele foram "muito corajosos e extraordinários".

Ele acredita que as falar de Trump, em público, as mesmas que políticos europeus e americanos dizem em particular. O presidente americano fez uma série de postagens criticando Doha, mesmo depois de ter dito aos chefes de governo do Catar que "seriamos amigos de agora por um longo tempo". Fonte: Associated Press.



Relacionados

Mundo | 17-06-2018 18:00

Mulher sai para inspecionar milharal e é engolida por cobra na Indonésia

Mulher sai para inspecionar milharal e é engolida por cobra na Indonésia

Mundo | 17-06-2018 15:30

Família real britânica terá seu primeiro casamento gay

Família real britânica terá seu primeiro casamento gay

Mundo | 17-06-2018 12:35

Papa pede países europeus protejam os forçados a deixar seus países

Papa pede países europeus protejam os forçados a deixar seus países

Mundo | 16-06-2018 19:05

Parlamento grego rejeita moção de censura por causa de novo nome da Macedônia

Parlamento grego rejeita moção de censura por causa de novo nome da Macedônia