Explosão deixa 8 mortos em jardim de infância na China; suspeito é identificado

Estadão Conteúdo
Mundo | Publicado em 15/06/2017 às 22:05

Um suspeito foi identificado na explosão no portão de entrada de um jardim de infância no leste da China, que deixou pelo menos oito mortos, nesta quinta-feira.

A polícia estava investigando a explosão como um ato criminoso e disse que "miraram" no suspeito, de acordo com a agência de notícias Xinhua. Não ficou claro se o suspeito havia sido detido e nenhum possível motivo foi apontado.

Duas pessoas morreram na cena e outras seis morreram após terem sido levadas a um hospital, no jardim de infância de Chuangxin, no distrito de Fengxian, de acordo com as autoridades.

A mídia estatal afirma que 65 pessoas ficaram feridas, incluindo oito que permanecem em estado grave. Não foram oferecidos detalhes das vítimas.

Não é a primeira vez que acontece um ataque em um jardim de infância na China. Autoridades dizem que os suspeitos eram pessoas com problemas mentais ou que guardavam rancor de vizinhos.

Vídeos que supostamente seriam da cena da explosão foram divulgados nas redes sociais e mostravam crianças e adultos deitados no chão. Alguns estavam sangrando.

O site do Global Times disse que a explosão foi causada por um cilindro de gás em uma barraca de comida do outro lado da rua, citando uma testemunha identificada pelo sobrenome Shi. Fonte: Dow Jones Newswires.



Relacionados

Mundo | 24-05-2018 23:25

Pompeo expressou vontade clara de seguir conversa com Pyongyang, diz Seul

Pompeo expressou vontade clara de seguir conversa com Pyongyang, diz Seul

Mundo | 24-05-2018 23:20

Japão minimiza suspensão de cúpula entre Kim e Trump

Japão minimiza suspensão de cúpula entre Kim e Trump

Mundo | 24-05-2018 20:40

Estamos prontos a sentar com os EUA para resolver impasse, diz Coreia do Norte

Estamos prontos a sentar com os EUA para resolver impasse, diz Coreia do Norte

Mundo | 24-05-2018 18:30

Três ativistas sauditas são libertadas após 10 dias presas

Três ativistas sauditas são libertadas após 10 dias presas

PUBLICIDADE