Juiz de Miami nega liberdade a ex-presidente do Panamá

Estadão Conteúdo
Mundo | Publicado em 13/06/2017 às 19:05

Um magistrado federal de Miami determinou nesta terça-feira que o ex-presidente do Panamá Ricardo Martinelli permaneça detido em confinamento solitário, após informar-lhe que foi preso por causa de uma ordem de extradição emitida por seu país.

"O pedido de liberdade sob fiança será negado neste momento", afirmou o juiz Edwin Torres ao finalizar uma breve audiência judicial em um tribunal federal do centro de Miami.

Foi a primeira audiência judicial de Martinelli após sua prisão na tarde de segunda-feira nas proximidades de sua casa da cidade vizinha de Coral Gables. O ex-presidente é acusado de corrupção e de espionar adversários políticos no Panamá.

O advogado do ex-presidente, Marcos Jiménez, disse que o cliente não estava bem de saúde e que, em lugar de seguir isolado, preferia ser transferido junto dos demais detentos. Torres concordou em dar-lhe assistência médica, mas disse que ele deveria seguir isolado até a próxima audiência da condicional, em 20 de junho.

Martinelli foi presidente entre 2009 e 2014. Ele nega ter violado a lei e diz que o caso é uma perseguição política de seu sucessor.

Em fevereiro, promotores no Panamá informaram que pediram ajuda internacional para deter dois dos filhos do ex-presidente em relação a uma suposta associação ilícita para lavagem de dinheiro de subornos da construtora brasileira Odebrecht. Fonte: Associated Press.



Relacionados

Mundo | 15-08-2018 10:05

Número de mortos em queda de ponte na Itália chega a 39

Número de mortos em queda de ponte na Itália chega a 39

Mundo | 15-08-2018 09:30

Governo da Turquia diz estar "muito desapontado" com postura de EUA sobre pastor

Governo da Turquia diz estar "muito desapontado" com postura de EUA sobre pastor

Mundo | 15-08-2018 02:25

Turquia impõe tarifas a determinados produtos importados dos Estados Unidos

Turquia impõe tarifas a determinados produtos importados dos Estados Unidos

Mundo | 14-08-2018 21:30

2,3 milhões de pessoas deixaram Venezuela desde junho fugindo da crise, diz ONU

2,3 milhões de pessoas deixaram Venezuela desde junho fugindo da crise, diz ONU

PUBLICIDADE