Morre aos 87 anos o ex-chanceler alemão Helmut Kohl

Redação Tarobá News
Mundo | Publicado em 16/06/2017 às 13:48

O ex-chanceler Helmut Kohl, que governou a Alemanha entre 1982 e 1998, morreu nesta sexta-feira (16), aos 87 anos, em sua casa de Ludwigshafen, no Sudoeste do país, informou seu partido, a União Democrata-Cristã (CDU).

Kohl foi o chanceler que por mais anos governou a República Federal - quatro legislaturas - e o artífice da reunificação alemã, após a queda do muro de Berlim em 1989.

"Estamos de luto. Descanse em paz", escreveu o CDU em seu perfil no Twitter.

A União Social-Cristã (CSU) também se expressou pelo Twitter: "Estamos de luto pelo ex-chanceler. Kohl era um grande estadista, as suas conquistas para o nosso país são incalculáveis".

O ex-chanceler encontrava-se, desde 2008, afastado da atividade pública, em cadeira de rodas, após cair de uma escada e sofrer um traumatismo cranioencefálico.

Kohl se destacou na política nacional em 1976, quando se tornou chefe da oposição e chegou à chancelaria em 1982, após ganhar uma moção de censura contra o então chefe do Executivo alemão, o social-democrata Helmut Schmidt.

Um ano depois, foi ratificado pelas urnas no posto de chanceler e se manteve no cargo até 1998, quando foi derrotado pelo social-democrata Gerhard Schröder, que se aliou com o Partido Verde pela primeira vez para recuperar o governo da Alemanha.

Fonte: Agência Brasil



Relacionados

Mundo | 19-01-2019 17:40

Ataque aéreo dos EUA na Somália mata 52 extremistas do grupo al-Shabab

Ataque aéreo dos EUA na Somália mata 52 extremistas do grupo al-Shabab

Mundo | 19-01-2019 16:55

EUA: Trump nega possibilidade de suspensão de tarifas em negociação com a China

EUA: Trump nega possibilidade de suspensão de tarifas em negociação com a China

Mundo | 19-01-2019 15:25

EUA: Trump diz que "as coisas estão indo muito bem" com a Coreia do Norte

EUA: Trump diz que "as coisas estão indo muito bem" com a Coreia do Norte

Mundo | 19-01-2019 13:10

Opositores pedem a Moro que investigue operações suspeitas

Opositores pedem a Moro que investigue operações suspeitas