Nomura comprou bônus venezuelanos controversos com um grande desconto

Redação Tarobá News
Mundo | Publicado em 31/05/2017 às 17:55

O banco de investimento japonês Nomura comprou o equivalente a US$ 100 milhões em bônus do governo venezuelano, na semana passada, como parte da mesma transação que colocou o Goldman Sachs no meio de uma controvérsia política.

O Nomura pagou cerca de US$ 30 milhões pela dívida, com um grande desconto, de acordo com pessoas familiarizadas ao assunto. O Goldman Sachs fez um negócio parecido, comprando o equivalente a US$ 2,8 bilhões em bônus por meio de um intermediário, de acordo com uma reportagem do Wall Street Journal.

As fontes afirmam que o Nomura foi abordado pelo mesmo intermediário, uma subsidiária londrina de uma pequena corretora, a Dinosaur Merchant.

Opositores venezuelanos criticaram o Goldman Sachs, alegando que o banco está ajudando um ditador que mergulhou o país numa crise econômica e social sem precedentes, referindo-se ao presidente Nicolás Maduro.

O Goldman Sachs disse que a transação foi feita no mercado secundário e não resultou no envio de novos fundos ao governo. O banco central venezuelano, que detinha os bônus, reportou um aumento de US$ 779 milhões em reservas internacionais na esteira da transação.

Ontem, um pequeno grupo de manifestantes protestaram contra a ação do Goldman Sachs na sede do banco em Nova York. (Matheus Maderal, com informações da Dow Jones Newswires e da Associated Press - matheus.maderal@estadao.com)



Relacionados

Mundo | 23-04-2019 08:00

Terremoto nas Filipinas deixa ao menos 16 mortos

Terremoto nas Filipinas deixa ao menos 16 mortos

Mundo | 23-04-2019 07:05

Liga Árabe se compromete a transferir US$ 100 milhões por mês para palestinos

Liga Árabe se compromete a transferir US$ 100 milhões por mês para palestinos

Mundo | 21-04-2019 12:35

Sri Lanka bloqueia mídias sociais após ataques a bomba

Sri Lanka bloqueia mídias sociais após ataques a bomba

Mundo | 21-04-2019 11:05

Bolsonaro condena ataques no Sri Lanka: 'Extremismo deixa rastros de morte e dor'

Bolsonaro condena ataques no Sri Lanka: 'Extremismo deixa rastros de morte e dor'