Premiê da Índia diz que vai trabalhar para ir além do Acordo do Clima de Paris

Redação Tarobá News
Mundo | Publicado em 03/06/2017 às 15:15

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, se encontrou com o presidente da França, Emmanuel Macron neste sábado, para reafirmar laços entre os dois países e demonstrar novamente unidade na luta contra o aquecimento global. O líder indiano prometeu também trabalhar para ir "além" do acordado em 2015.

Em parada na visita que fez a países europeus, Modi reafirmou o compromisso com o Acordo de Paris, afirmando que trabalhar em prol do planeta é um presente para as futuras gerações. A Índia, o quarto maior emissor de gases estufa do planeta, é um dos parceiros mais críticos do acordo.

"Somos a favor deste acordo climático e continuaremos a trabalhar nessa direção, até além do Acordo de Paris, mesmo que ele não existisse", afirmou Modi em coletiva conjunta com Mácron.

França e Índia anunciaram uma aliança global de energia solar, com o objetivo de desenvolver a tecnologia e torná-la mais acessível. O presidente francês afirmou que ela será um "instrumento concreto" na luta contra o aquecimento global. Ele também anunciou sua participação em um evento sobre energia solar na Índia no final do ano.

"Estamos convencidos que nossos países têm muito a fazer pela transição ecológica e ambiental, bem como a luta contra o aquecimento", afirmou. Fonte: Associated Press.



Relacionados

Mundo | 22-09-2018 11:05

Vaticano assina acordo provisório com a China sobre indicação de bispos

Vaticano assina acordo provisório com a China sobre indicação de bispos

Mundo | 22-09-2018 10:10

Ataque a tiros durante desfile militar deixa 24 mortos no Irã

Ataque a tiros durante desfile militar deixa 24 mortos no Irã

Mundo | 22-09-2018 10:10

Secretário britânico pede que UE 'recue da beira do abismo' sobre Brexit

Secretário britânico pede que UE 'recue da beira do abismo' sobre Brexit

Mundo | 21-09-2018 18:07

Álcool matou mais de 3 milhões de pessoas no mundo em 2016, aponta OMS

Álcool matou mais de 3 milhões de pessoas no mundo em 2016, aponta OMS

PUBLICIDADE