Procurador do Equador vai ao Panamá investigar caminho de propinas da Odebrecht

Estadão Conteúdo
Mundo | Publicado em 17/06/2017 às 00:05

O procurador-geral equatoriano Carlos Baca disse hoje que presume que pelos menos 50% das propinas pagas pela Odebrecht no país vieram do Panamá.

Baça disse que na próxima terça-feira viajará ao Panamá "para uma reunião direta com Kenia Porcell, procuradora-geral do país, para tratar de como processar adequadamente a informação" sobre o caminho de cerca de 3 milhões de dólares que provavelmente passaram por ali por meio de paraísos fiscais.

No caso, está detido no Equador o ex-ministro de Eletricidade, Alecksey Mosquera, e um empresário como suposto testa de ferro no pagamento de US$ 1 milhão pela Odebrecht. Fonte: Associated Press.



Relacionados

Mundo | 19-01-2019 17:40

Ataque aéreo dos EUA na Somália mata 52 extremistas do grupo al-Shabab

Ataque aéreo dos EUA na Somália mata 52 extremistas do grupo al-Shabab

Mundo | 19-01-2019 16:55

EUA: Trump nega possibilidade de suspensão de tarifas em negociação com a China

EUA: Trump nega possibilidade de suspensão de tarifas em negociação com a China

Mundo | 19-01-2019 15:25

EUA: Trump diz que "as coisas estão indo muito bem" com a Coreia do Norte

EUA: Trump diz que "as coisas estão indo muito bem" com a Coreia do Norte

Mundo | 19-01-2019 13:10

Opositores pedem a Moro que investigue operações suspeitas

Opositores pedem a Moro que investigue operações suspeitas