Procurador-geral dos EUA nega conluio com a Rússia em campanha de Trump

Estadão Conteúdo
Mundo | Publicado em 13/06/2017 às 17:20

Foto:Alex Brandon

A possível interferência da Rússia nas eleições presidenciais dos Estados Unidos no ano passado voltou à tona nesta terça-feira, com o depoimento do procurador-geral, Jeff Sessions, no Comitê de Inteligência do Senado. Interrogado pelos senadores, Sessions negou a existência de um conluio entre a campanha do presidente Donald Trump com Moscou e disse que não há nenhum problema em relação à demissão do ex-diretor do FBI James Comey.

"A sugestão de que eu participei de qualquer conluio ou de que conheci qualquer ligação com o governo russo para prejudicar este país, que tenho servido com muita honra por mais de 35 anos, é uma mentira espantosa e detestável", disse Sessions antes de começar a ser questionado pelos senadores. O procurador-geral americano negou ter tido um encontro com autoridades russas no Mayflower Hotel e afirmou que nada "impróprio" ocorreu em suas reuniões com o embaixador da Rússia em Washington, Sergey Kislyak.

As conversas com o embaixador russo já haviam pesado sobre Sessions anteriormente, fazendo com que ele deixasse o comando das investigações sobre o caso Rússia logo no início do governo de Donald Trump. O procurador-geral, que comanda o Departamento de Justiça (DoJ, na sigla em inglês) afirmou não ter recebido nenhuma informação sobre as investigações do caso Rússia além do necessário.

Outro tema comentado por Sessions durante o depoimento foi a investigação do caso Rússia comandada pelo ex-diretor do FBI Robert Mueller. "Acho que não é apropriado demitir Mueller. Não tive nenhuma conversa com ele ainda, mas tenho confiança em seu trabalho", disse o procurador-geral. O movimento vem após relatos de que Trump poderia retirar Mueller das investigações sobre o caso Rússia.

Em um momento de ânimos exaltados, o senador democrata Ron Wyden afirmou que uma das respostas de Sessions não "passaria no teste". O procurador-geral, então, retrucou afirmando que estava ali fazendo um esforço para contar apenas verdades.



Relacionados

Mundo | 14-08-2018 21:30

2,3 milhões de pessoas deixaram Venezuela desde junho fugindo da crise, diz ONU

2,3 milhões de pessoas deixaram Venezuela desde junho fugindo da crise, diz ONU

Mundo | 14-08-2018 16:50

Vídeo mostra desabamento de ponte de 100 metros de altura na Itália

Vídeo mostra desabamento de ponte de 100 metros de altura na Itália

Mundo | 14-08-2018 16:15

Operário morre em obra de estádio da Copa do Mundo de 2022

Operário morre em obra de estádio da Copa do Mundo de 2022

Mundo | 14-08-2018 11:10

Autoridades já confirmam 22 mortos e 8 feridos em queda de ponte na Itália

Autoridades já confirmam 22 mortos e 8 feridos em queda de ponte na Itália