Se EUA voltarem para acordo e suspenderem sanções, podemos negociar, diz Zarif

Estadão Conteúdo
Mundo | Publicado em 19/09/2019 às 10:05

O ministro de Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, disse que se os Estados Unidos retornarem ao acordo nuclear fechado entre Teerã e potências globais e suspenderam todas as atuais sanções contra o regime iraniano, seu país estará "disposto a negociar" com Washington. Zarif fez o comentário durante entrevista exclusiva à emissora CNN.

Twitter

Em sua conta no Twitter, Zarif, afirmou que assessores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tentam enganá-lo a entrar em guerra contra o país persa. "Pelo seu próprio bem, eles deveriam rezar para que não consigam o que estão buscando", provocou.

Zarif também alude à declaração do secretário de Estado americano, Mike Pompeo - que responsabiliza Teerã pelo ataque de drones a instalações petrolíferas na Arábia Saudita durante o último fim de semana - de que essa ofensiva teria sido um "ato de guerra" iraniano.

"'Ato de guerra' ou agitação para a guerra?", questionou o ministro no Twitter, devolvendo a acusação. Ele aponta que os EUA "ainda estão pagando pela muito menor guerra do Iêmen que eles foram arrogantes demais para encerrar quatro anos atrás". "Caminho para a redenção: agarrar a oportunidade de acabar o desastre no Iêmen, não ampliá-lo!", encerrou.



Relacionados

Mundo | 02-06-2020 12:57

UBS dos Los Angeles será isolada após servidora testar positivo para coronavírus

UBS dos Los Angeles será isolada após servidora testar positivo para coronavírus

Mundo | 02-06-2020 11:55

Trump diz que desenvolvimento de vacinas avança mais rápido do que o previsto

Trump diz que desenvolvimento de vacinas avança mais rápido do que o previsto

Mundo | 02-06-2020 08:50

Da Califórnia, telespectador mostra situação nos EUA

Da Califórnia, telespectador mostra situação nos EUA

Mundo | 02-06-2020 08:15

EUA: Em NY, Macy's e outras lojas são invadidas em mais um dia de protestos

EUA: Em NY, Macy's e outras lojas são invadidas em mais um dia de protestos