Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

PCPR apreende documentos e computadores em operação contra suspeitos de fraude à licitação

13/06/24 às 10:38 - Escrito por Assessoria de Imprensa
siga o Tarobá News no Google News!

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) apreendeu documentos, computadores e celulares durante uma operação para cumprir 16 mandados de busca e apreensão em endereços ligados a uma associação criminosa responsável por fraude à licitação e contratos administrativos da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar). A ação foi realizada na manhã desta terça-feira (11), em Curitiba, São José dos Pinhais, Araucária e Pinhais, na Região Metropolitana, e contou com o apoio da Polícia Científica do Paraná.


Os mandados foram cumpridos em residências e empresas ligadas ao grupo. A ação contou com a participação de 40 policiais civis.


A delegada da PCPR, Waleska Souza Martins, explica que, através de uma complexa investigação, foi possível identificar que, desde 2018, os suspeitos agiam.

Leia mais:

Imagem de destaque
TÉCNICO

Geração Olímpica e Paralímpica: técnico Adailton Gonçalves mira medalhas em Paris de olho no futuro do boxe

Imagem de destaque
CONFIRA

Agências do Trabalhador do Paraná iniciam a semana com 21,9 mil vagas

Imagem de destaque
EM AGOSTO

MPPR tem encontro estadual na área da infância com palestras abertas à rede de proteção

Imagem de destaque
EM MARINGÁ

Homem de 46 anos morre ao ser atingido por pacote de ração


“Evidenciou-se, através da investigação, uma associação criminosa integrada por pessoas de uma mesma família, que constituíam diversas pessoas jurídicas para participação em processos licitatórios promovidos pela Sanepar. As denúncias vieram da própria Sanepar, que apresentou indícios de que essas empresas estariam ganhando licitações, competindo com empresas de interpostas pessoas, constituídas por eles próprios”, conta a delegada.


Após vencerem os certames, na fase de execução do contrato administrativo firmado, as empresas não entregavam os materiais ou entregavam com qualidade inferior à prevista no edital.


A Sanepar aplicou as sanções administrativas cabíveis à empresa envolvida, como a penalidade de suspensão temporária de participação em licitações e o impedimento de contratar com a administração. Posteriormente a isso, o grupo criou novos Cadastros Nacionais da Pessoa Jurídica (CNPJ), aparentando serem entidades diferentes para continuar a prática ilícita.


O grupo possuía fábricas e comércios de tubos e conexões e agia no Paraná e em estados vizinhos. Integrantes da associação criminosa respondem por crimes semelhantes em Santa Catarina.


Os itens apreendidos passarão por perícia para dar andamento à investigação.

Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá