Linha 4

Publicidade

Secretários destacam sustentabilidade com energia solar no oeste do PR

Redação Tarobá News

Foto: Sedest

Secretários de Estado participaram, nesta quinta-feira (17), da inauguração oficial da Usina Fotovoltaica Nelson Paludo, em Assis Chateaubriand, no Oeste do Estado. Ela está em funcionamento desde o mês de abril deste ano, abastecendo 20 unidades do Sistema Faep (Federação da Agricultura do Estado do Paraná) com energia limpa. A expectativa é de que o complexo fotovoltaico gere a economia de cerca de R$ 10 mil por mês.

A usina tem uma estrutura com 304 painéis, capazes de gerar 160 mil kwh por ano. Com isso, será capaz de reduzir a emissão de 20 toneladas de CO2 na atmosfera anualmente. 

O chefe da Casa Civil, Guto Silva, e os secretários de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, e da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, destacaram os benefícios de uma usina solar para os agricultores e também ao meio ambiente. Investimentos públicos e privados em fontes alternativas e sustentáveis são um dos principais objetivos do Estado.

Guto Silva afirmou que a economia gerada ao produtor rural é o primeiro passo para aumentar a produção no campo. “É um sistema que compensa pelo retorno que representa em economia e produtividade”, disse.

Segundo ele, em pouco mais de três anos o produtor quita o investimento em uma usina fotovoltaica. Silva acrescentou que o governo busca mais recursos para o financiamento desse sistema.

“Nossa energia é 91% limpa, preservamos as matas ciliares, temos agronegócio de ponta, produtivo, que respeita o meio ambiente. E agora vamos produzir energia solar no campo. É um caminho sem volta. É o próximo ciclo do Paraná”, afirmou Guto Silva.

O secretário Márcio Nunes destacou que o processo de licenciamento para a construção de empreendimentos desse porte recebeu uma atenção especial por parte do Governo do Estado, com o lançamento do Paraná Energia Sustentável

“Temos que aproveitar todas as formas de energias possíveis para que ela saia da tomada. Ela pode ser produzida por biomassa, solar, eólica, ondas e pequenos potenciais hidrelétricos. Agora, o pedido para esses empreendimentos pode ser feito online e se o requerente tiver todos os documentos, a licença pode sair na hora, mas com segurança técnica e jurídica”, disse. 

Segundo o diretor-presidente da Faep, Ágide Meneguette, a energia elétrica é o segundo insumo de maior custo na produção das pecuárias. "A adoção da energia solar ou da bioenergia, que tem amortização de custo em até cinco anos, reduz o gasto com a produção e, neste período, o produtor rural troca a conta de luz pela parcela do empreendimento, lembrando que ele tem uma vida útil de cerca de 25 anos”, afirmou.

O secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, acentuou a importância da energia renovável no desenvolvimento do setor agropecuário, no qual o Paraná é protagonista. Segundo ele, as perspectivas são muito positivas para o setor, principalmente em atividades que consomem mais energia elétrica, como avicultura, suinocultura, bovinocultura de leite e piscicultura. 

“Hoje a energia é um dos principais insumos da agropecuária. Não podemos desperdiçar fontes disponíveis, sobretudo porque conseguimos avançar tecnologicamente”, afirmou Ortigara. “Foi inteligente aproveitar o conhecimento tecnológico que temos e bancar parte dos esforços dos agricultores para gerar a própria energia. E a custo zero. Tenho visto casos concretos, de redução de contas de luz de R$ 8 mil”.

AEN-PR



COMENTÁRIOS

Publicidade

Publicidade

Nós usamos cookies teste site para lhe proporcionar a melhor experiência possível lembrando de preferências em visitas anteriores. Clicando em "Aceitar" você aceita o uso de cookies e nossos Termos de Uso.