Linha 4

Publicidade

STJ restabelece qualificadora de motivo fútil na morte de Tatiane Spitzner

Redação Tarobá News

Foto: Arquivo RSN

Um novo desdobramento judicial envolve a morte da advogada Tatiane Spitzner, em Guarapuava nesta segunda (5). É que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu provimento ao Recurso Especial do Ministério Público. Assim, fica restabelecida a qualificadora do motivo fútil no assassinato de Tatiane Spitzner. O crime ocorreu na madrugada de 22 de julho de 2018. 

De acordo com os autos, aos 29 anos, a advogada morreu por esganadura pelo marido. Depois teve o corpo jogado do prédio onde moravam, no Centro da cidade. Assim, imagens de câmeras de segurança mostram o marido da vítima, Luís Felipe Manvailer, arrastando o corpo do elevador para dentro de casa. Em seguida, limpando o local e depois saindo, com outra roupa. Assim, nas investigações, ficou apurado que ele não chamou por socorro nem avisou a família de Tatiane. Porém, a defesa sustenta a tese de que a advogada teria se suicidado.

QUALIFICADORAS 

O MP do Paraná apresentou a denúncia contra Manvailer por homicídio com as seguintes qualificadoras: motivo fútil, meio cruel, asfixia. Além da defesa da vítima dificultada e feminicídio. Todavia, a qualificadora do motivo fútil tinha sido excluída da acusação pelo TJPR. Mas o MP recorreu dessa decisão meio, do Recurso Especial nº 1888303, provido pelo STJ no dia 2 de outubro de 2020. Gustavo Scandelari, representante da família Spitzner, considerou a decisão correta. Isso porque conforme Scandelari, todos os crimes cometidos por Luís Felipe Manvailer tiveram motivo fútil. “O Superior Tribunal de Justiça, corretamente, restabeleceu a qualificadora dizendo que havia sim, indícios que devem passar por análise do tribunal do júri, o que deve aumentar a pena do réu”.

Fonte: Rede Sul de Notícias 

COMENTÁRIOS

Publicidade