Criança de 1 ano morre por suspeita de violência sexual em Arapongas

Redação Tarobá News
Policial | Publicado em 19/06/2019 às 09:28

Uma menina de um ano e um mês morreu em Arapongas na noite desta terça-feira (18). O Instituto Médico-Legal (IML) apontou, preliminarmente que ela sofreu abuso sexual e que isso teria causado a morte.

A menina chegou à UPA de Arapongas por volta das sete da noite. O pai, Roger da Silva Ribeiro, alegou que a filha, de apenas um ano, havia se engasgado com leite. Apesar dos procedimentos médicos a criança morreu. A versão levantou suspeitas, porque a menina já estava morta e com o corpo cheio de hematomas. Alguns seriam indícios de violência sexual contra a criança. A Polícia Militar (PM) foi acionada.

Roger foi preso logo após o registro do boletim de ocorrência, porque já tinha passagem por tráfico de drogas e estava foragido. A família dele foi trazida pela polícia para prestar depoimento. A avó da criança, Maria Aparecida da Silva, escondia um celular de Roger nas partes íntimas. Ela e a filha, Eduarda da Silva, mãe da menina Sophia, também foram presas.

Aproximadamente dois anos atrás este mesmo casal perdeu uma outra criança, em princípio a suspeita da morte foi desidratação. O corpo da criança passou por perícia e foi encaminhado para o IML de Apucarana. A Polícia Civil continua investigando o caso. 


Atualização 13h52


Reportagem Livia de Oliveira 



Relacionados

Cascavel | 06-04-2020 20:41

Choque apreende adolescente com arma e munições

Choque apreende adolescente com arma e munições

Juranda | 06-04-2020 20:21

PRF apreende pela segunda vez contrabando em veículo ocupado por casal e criança de colo

PRF apreende pela segunda vez contrabando em veículo ocupado por casal e criança de colo

Ponta Grossa | 06-04-2020 16:13

Bandidos rendem funcionária e roubam farmácia em PG

Bandidos rendem funcionária e roubam farmácia em PG

Curitiba | 06-04-2020 15:13

Preso manda matar mulher que se recusava a assinar divórcio para liberar visitas íntimas

Preso manda matar mulher que se recusava a assinar divórcio para liberar visitas íntimas

PUBLICIDADE