AGU cobra R$ 1,5 mi de organizadores de protesto por danos a ministério

Redação Tarobá News
Política | Publicado em 30/05/2017 às 20:05

A advogada-geral da União, Grace Mendonça, a ministra Grace Mendonça, anunciou que o órgão entra nesta terça-feira, 30, com uma ação de reparação de danos pelo prejuízo de aproximadamente R$ 1,5 milhão causado ao Ministério da Agricultura durante protestos contra o governo Temer no último dia 24, em Brasília.

Na ação, a AGU pede dos movimentos que organizaram a manifestação o ressarcimento de aproximadamente R$ 1,5 milhão. Ainda nesta semana, serão protocoladas na Justiça Federal de Brasília ações por danos causados a mais seis ministérios "já com prejuízos comprovados", disse Grace.

"Atos de vandalismo não têm respaldo na Constituição Federal, o patrimônio público federal foi lesado, razão pela qual a Advocacia-Geral da União está ingressando com ações para que os danos sejam devidamente reparados", disse a advogada durante coletiva de imprensa no Fórum de Investimentos Brasil 2017, em São Paulo.

Grace afirmou que a AGU ainda não tem levantados os valores de danos em todos os ministérios atingidos, que foram alvos de depredações e até incêndios durante o protesto, razão pela qual o presidente Michel Temer autorizou o uso das Forças Armadas para proteger os prédios públicos.



Relacionados

Política | 16-10-2019 22:15

PSL reafirma que os documentos de prestação de contas do partido são públicos

PSL reafirma que os documentos de prestação de contas do partido são públicos

Política | 16-10-2019 20:55

Cúpula do MP arquiva inquérito contra Márcio França por uso do helicóptero da PM

Cúpula do MP arquiva inquérito contra Márcio França por uso do helicóptero da PM

Política | 16-10-2019 20:40

Lava Jato tem cerca de 100 condenados em segunda instância

Lava Jato tem cerca de 100 condenados em segunda instância

Política | 16-10-2019 19:35

Gilmar Mendes e Bolsonaro se reúnem na véspera de julgamento sobre 2ª instância

Gilmar Mendes e Bolsonaro se reúnem na véspera de julgamento sobre 2ª instância

PUBLICIDADE