Alexandre de Moraes suspende acordo da Lava Jato com a Petrobras

Estadão Conteúdo
Política | Publicado em 15/03/2019 às 18:20

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu nesta sexta-feira, 15, a homologação do acordo firmado entre os procuradores da força-tarefa da Lava Jato (Ministério Público Federal) em Curitiba e a Petrobras, que previa a criação de uma fundação para gerir recursos oriundos de multa de R$ 2,5 bilhões paga pela estatal em ação nos Estados Unidos. O ministro atendeu a um pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Moraes também determinou o imediato bloqueio de todos os valores depositados pela Petrobras na conta corrente que foi designada pela 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba, que homologou o acordo. Segundo o ministro, a partir de sua decisão, os valores deverão permanecer em depósito judicial vinculado ao mesmo juízo, proibida qualquer movimentação de valores sem expressa decisão do STF. O ministro ainda decidiu pela suspensão de todas as ações judiciais que tratem do tema.

Ao fazer o pedido, Raquel Dodge deixou claro que caso o STF acolhesse seu pedido, a estatal poderia adotar outras medidas para cumprir o que foi celebrado com as autoridades dos EUA. Segundo Raquel, o acordo estabelecido entre a Petrobras e o Departamento de Justiça norte-americano não estabelece condição alguma para que o MPF seja o gestor dos recursos, ou defina sua aplicação em finalidades estabelecidas por ele.



Relacionados

Política | 23-03-2019 10:35

Barroso mantém afastamento de promotor de GO por desvio de R$ 10 milhões

Barroso mantém afastamento de promotor de GO por desvio de R$ 10 milhões

Política | 23-03-2019 09:27

Em três meses, Paraná recebe embaixadores e delegações de 22 países

Em três meses, Paraná recebe embaixadores e delegações de 22 países

Política | 23-03-2019 08:25

Bretas usou proposta rejeitada no Congresso para prender Temer, diz jurista

Bretas usou proposta rejeitada no Congresso para prender Temer, diz jurista

Política | 23-03-2019 08:25

Vélez fica no cargo, mas não pode nomear mais ninguém

Vélez fica no cargo, mas não pode nomear mais ninguém

PUBLICIDADE