Auxiliares temem aconselhar Bolsonaro

Estadão Conteúdo
Política | Publicado em 22/03/2020 às 16:10

Dos amigos do tempo de quartel a jovens assessores, o núcleo de auxiliares do presidente Jair Bolsonaro passou a evitar conversas francas com o "capitão". A dificuldade de falar abertamente sobre seu comportamento público, indicar deslizes e enxergar futuros problemas políticos ficou evidente no começo deste ano, diante de um congestionamento de crises, e ganhou proporção ainda maior com o novo coronavírus.

No manual de sobrevivência do poder, apontar exageros nas teorias de conspiração que entram no Palácio do Planalto é risco máximo. Tanto que assessores moderados se calaram quando o presidente começou a escrever, em conversas num grupo de WhatsApp, que a China tinha interesses na pandemia por razões comerciais.

A declaração se tornou pública na boca de outro Bolsonaro. Na noite de quarta-feira, 18, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) escreveu no Twitter que a "ditadura" da China escondeu "algo grave" e era culpada pelas mortes. O filho do presidente teve de ouvir críticas do embaixador da país asiático no Brasil, Yang Wanming, e da própria embaixada chinesa, que respondeu, no Twitter, que o ataque era de quem contraiu um "vírus mental".

Os assessores silenciaram também quando o presidente foi além na sua teoria sobre os chineses. Numa conversa com a presença de integrantes do núcleo ideológico, a ala que alimenta as ideias radicais da Presidência, ele disse que toda vez que a China enfrenta problemas econômicos surge uma doença causando estragos no mercado mundial. E, para mostrar que tinha razão, ainda escreveu que já começou a aparecer a possibilidade de uma vacina contra o coronavírus.

Quem tem acesso ao gabinete presidencial do terceiro andar do Planalto avalia que o panelaço da semana passada poderia até ter sido evitado se Bolsonaro tivesse aceito recomendações do seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, para não participar do ato a favor do governo em frente à Praça dos Três Poderes. Naquela manhã de domingo, nenhum assessor pediu ao presidente para evitar cumprimentos e selfies.

Funcionários mais antigos do Planalto observam que a falta de liberdade para pessoas próximas apontarem erros expõe e fragiliza o presidente. Ali ainda se aposta nos militares com mais proximidade para servir de escudo. Alguns oficiais insistem e tentam registrar nas conversas com Bolsonaro posições que consideram absolutamente necessárias e desagradáveis, apesar da resistência e da intempestividade do presidente.

Solidão

A dificuldade dos amigos em abrir o jogo com o presidente costuma esbarrar na questão da crença. Bolsonaro já deixou claro que sua "missão divina" o protege da solidão comum dos governantes.

"Ouvi dos que me antecederam que, logo nas primeiras semanas que assumiram o cargo, começaram a sentir a solidão do poder", disse Bolsonaro, em agosto, durante culto na Igreja Sarah Nossa Terra, em Brasília. "Acredito que essa solidão venha por dois motivos. Pelo descompromisso com a lealdade ao povo brasileiro. E, segundo, por afastamento de Deus."

No início do governo, era consenso entre aliados de Bolsonaro que o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, "controlaria" o recém-eleito. Agora, até Heleno evita tratar da questão dos filhos de Bolsonaro, o tendão de Aquiles presidencial. O ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, amigo de Bolsonaro desde os anos 1970, também tem sido bem cauteloso quando o assunto é familiar.

A lista dos que ousaram questionar o chefe e tiveram que deixar o Planalto inclui o advogado Gustavo Bebianno, comandante da campanha de 2018, e o general da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz. Bebianno, que morreu no último dia 14, foi demitido com 49 dias de governo. Santos Cruz, por sua vez, foi defenestrado após cinco meses.

"Eu sempre fui honesto naquilo que eu achava e acho uma qualidade fundamental: falar a realidade, senão se coloca em risco a própria autoridade", afirmou Santos Cruz. "Quando às vezes você fala alguma coisa não muito agradável é para preservar a autoridade, para ela ter conhecimento."

O drama da interlocução no Palácio é recorrente na história política recente. João Figueiredo (1979-1985) ignorou apelo de aliados e, numa viagem a Florianópolis, enfrentou manifestantes nas ruas. Passou ideia de tresloucado. Fernando Collor (1990-1992) não quis ouvir assessores e convocou por conta própria pessoas a irem às ruas de verde e amarelo a favor de seu governo no momento de alta inflação. Multidões de preto compareceram. Já Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) anunciou a expulsão do jornalista americano Larry Rohter do Brasil, mesmo diante de apelos de aliados. Teve de recuar depois.

De forma contumaz, Dilma Rousseff (2011-2016) distribuía broncas para quem tentava lhe dar conselhos. Não podia nem ouvir falar, por exemplo, em receber deputados. O descaso lhe custou votos no julgamento do impeachment. A falta de confiança de um governante em seus auxiliares é sempre letal. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Relacionados

Política | 03-04-2020 14:25

Doria elogia Mandetta após críticas de Bolsonaro ao ministro

Doria elogia Mandetta após críticas de Bolsonaro ao ministro

Política | 03-04-2020 12:10

'Ninguém tutela o presidente', diz general Villas Bôas

'Ninguém tutela o presidente', diz general Villas Bôas

Política | 03-04-2020 11:15

TJ de São Paulo encontra dificuldades em entregar máscaras a oficiais de Justiça

TJ de São Paulo encontra dificuldades em entregar máscaras a oficiais de Justiça

Política | 03-04-2020 10:45

Maia: momento é de superar crise e salvar vidas, e não de discutir impeachment

Maia: momento é de superar crise e salvar vidas, e não de discutir impeachment

PUBLICIDADE