Beto Richa vira réu na Quadro Negro pela terceira vez

Redação Tarobá News
Política | Publicado em 15/04/2019 às 17:06

Foto: Agência Brasil

O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) se tornou réu pela terceira vez em uma ação penal derivada da Operação Quadro Negro. Pouco antes das 14 horas desta segunda-feira (15), o juiz Fernando Bardelli Silva Fischer, da 9ª Vara Criminal de Curitiba, acolheu a denúncia contra o tucano pelos crimes de corrupção passiva e de dar causa à vantagem indevida na execução de contrato de licitação.

"Verifico a existência da justa causa para exercício da ação penal, consubstanciada nos elementos indiciários e elementos de prova que instruem os autos e que representam lastro probatório da materialidade e de indícios suficientes de autoria dos delitos atribuídos ao denunciado”, escreveu o juiz.

Beto Richa já era réu em outras duas ações penais derivadas da Operação Quadro Negro, que trata de desvio de dinheiro a partir de contratos entre empresas e a Secretaria da Educação, para reformas e construções de escolas, entre 2011 e 2014, primeiro mandato da gestão do tucano no governo do Paraná.

Desta vez, a denúncia do Ministério Público do Estado do Paraná (MP-PR) mira dois contratos com a empresa M.I. Construtora de Obras, firmados no ano de 2013, para construção do Colégio Estadual Professora Leni Marlene Jacob e do Colégio Estadual Pedro Carli, na cidade de Guarapuava. Cada obra era estimada em aproximadamente R$ 4,3 milhões."




Relacionados

Política | 20-04-2019 21:20

Bolsonaro passeia de moto no Guarujá e cumprimenta simpatizantes

Bolsonaro passeia de moto no Guarujá e cumprimenta simpatizantes

Política | 20-04-2019 11:40

Deputado petista acha brecha no sistema para pagar assessor

Deputado petista acha brecha no sistema para pagar assessor

Política | 20-04-2019 11:20

Congresso gastou R$ 2,8 bi para ressarcir despesas de parlamentares em 10 anos

Congresso gastou R$ 2,8 bi para ressarcir despesas de parlamentares em 10 anos

Política | 20-04-2019 08:05

Professor diz que termo 'fake news' abre espaço para censurar

Professor diz que termo 'fake news' abre espaço para censurar

PUBLICIDADE