Linha 4

Publicidade

Boca Aberta passa segunda noite seguida detido no Creslon

Weslley Lemos

Foto: Roberto Peres/Tarobá

O deputado federal, Boca Aberta (PROS), passou mais uma noite detido no Centro de Reintegração Social de Londrina (Creslon), onde ficam presos do regime semiaberto. Ele se apresentou na terça-feira (26), por volta do meio-dia, condenado por perturbação de sossego, ficou preso e passou duas noites na unidade.

A condenação determina 17 dias em regime semiaberto, mas o parlamentar teria que cumprir 1/6 da pena na prisão e por isso ficou preso. A defesa entrou com pedido na Justiça para progressão ao regime aberto e havia uma expectativa que tivesse a liberdade concedida na quarta-feira (27).

Os advogados informaram que o pedido passou pelo Ministério Público e o promotor responsável deu um parecer favorável, concordando com os argumentos apresentados. Porém, o alvará de soltura não foi expedido pelo juiz da Vara de Execuções Penais, Katsujo Nakadomari, e Boca Aberta continuou detido pela segunda noite. Ele está em um espaço isolado dos demais presos e agora a expectativa é que deixe o local na manhã desta quinta-feira (28).  

Apoiadores, advogados e a família dele, incluindo a vereadora Mara Boca Aberta (PROS) e o deputado estadual Boca Aberta Junior (PROS), se concentraram em frente ao Creslon aguardando a saída do deputado. Um esquema de segurança, com viaturas da Polícia Militar, também foi montado na rua. Deixaram o local por volta das 20h de quarta. 

Leia também:
"Falar a verdade é crime no Brasil", dispara Boca Aberta – assista a entrevista de Boca Aberta antes de se apresentar no Creslon

Condenação
Ainda não há informações oficiais se Boca Aberta terá que utilizar tornozeleira eletrônica ou se vai passar as noites preso no período. O político se apresentou após esgotarem-se os recursos do processo em que ele foi condenado a 17 dias de prisão em regime semiaberto por perturbação de sossego. O documento foi expedido pela Justiça no dia 15 de janeiro.

A condenação é referente a uma confusão na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do jardim do Sol, em janeiro de 2017, quando Boca Aberta era vereador em Londrina. Ele realizava a chamada “Blitz da Saúde” em que entrou em áreas restritas e filmou profissionais de saúde do local. Ele afirmou que havia recebido denúncias que médicos estariam dormindo em horário de trabalho e realizou a fiscalização. Um vídeo foi divulgado pelo próprio parlamentar nas redes socais.

COMENTÁRIOS

Publicidade

Publicidade