Defesa de Dilma diz que trará parecer dizendo que é impossível separar contas

Redação Tarobá News
Política | Publicado em 01/06/2017 às 13:30

A defesa da ex-presidente da República Dilma Rousseff (PT) na ação que vai julgar a chapa presidencial reeleita em 2014 vai protocolar nesta sexta-feira, 2, um parecer jurídico-contábil para reforçar o argumento de indivisibilidade entre as contas da petista e do então candidato a vice Michel Temer (PMDB).

Assinado pelo ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso e pelo contabilista Cláudio Wagner, o parecer vai argumentar que não há precedente na Justiça Eleitoral de divisão de contas entre titular e vice em processos de cassação de chapa.

No documento, os pareceristas argumentam que as receitas da conta Temer representaram 5,67% do total arrecadado pela campanha. Foram R$ 19 milhões arrecadados pelo peemedebista em um total de R$ 350 milhões.

Além disso, a defesa de Dilma argumenta que 81% do que foi arrecadado por Temer acabou sendo redistribuído para outros candidatos do PMDB em oito Estados.

"A maior parte foi para o PMDB do Rio Grande do Sul, onde a chapa perdeu. Ou seja, a participação da conta Temer foi ínfima na campanha", disse o advogado Flávio Caetano, coordenador jurídico da defesa da presidente afastada.

Segundo ele, o documento que será apresentado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai contrapor o parecer apresentado pela defesa de Temer, assinado pelo jurista Ives Gandra Martins Filho, que defende a tese da separação.



Relacionados

Política | 17-02-2019 10:05

Propina pagou hotel, gasolina e até comida da campanha de Beto Richa, diz delator

Propina pagou hotel, gasolina e até comida da campanha de Beto Richa, diz delator

Política | 17-02-2019 09:00

Davi quer fazer 'faxina' em postos do MDB no Senado

Davi quer fazer 'faxina' em postos do MDB no Senado

Cascavel | 16-02-2019 20:30

Silvério no Detran: Coronel Lee perde para Paranhos

Silvério no Detran: Coronel Lee perde para Paranhos

Política | 16-02-2019 18:00

Bolsonaro já assinou demissão de Bebianno, dizem interlocutores do governo

Bolsonaro já assinou demissão de Bebianno, dizem interlocutores do governo