Em congresso, Dilma critica as reformas do governo Temer

Estadão Conteúdo
Política | Publicado em 02/06/2017 às 11:50

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) atacou na noite dessa quinta-feira (01) as reformas propostas pelo governo Michel Temer (PMDB). Dilma relacionou a aprovação das mudanças estruturais com o seu impeachment, classificado por ela como “golpe”.

“A reforma da Previdência não é uma reforma, ela visa transformar a aposentadoria em algo inócuo e acabar com as proteções ao trabalhador. Tudo isso faz parte dessa consciência que a oligarquia articulada, frustrada em quatro eleições, se articulou para implantar um sistema que as urnas não queriam”, disse a ex-presidente durante o 6º Congresso Nacional do PT, em Brasília.

Dilma criticou também parte da Justiça brasileira, que, segundo ela, compartilha da ideologia que embasa as reformas do governo peemedebista. “Esse pensamento neoliberal uma parte do nosso judiciário assume”, afirmou. “Está em curso uma tentativa sistemática de criminalizar o PT.”

Com 600 delegados, o Congresso acontece em meio à maior crise do partido, que completou 37 anos em fevereiro. À procura de um discurso, a legenda promete atualizar o seu programa e eleger nova direção.

O partido prega eleições diretas para presidente da República na tentativa de se reaproximar da sociedade, após ser envolvido em escândalos de corrupção. O encontro petista segue até sábado (03).

(Band)



Relacionados

Política | 21-09-2018 12:00

Suíça vai enviar extratos de Paulo Viera de Souza

Suíça vai enviar extratos de Paulo Viera de Souza

Política | 21-09-2018 10:50

'Vamos rever desonerações, que ferem princípio da igualdade', diz Arida

'Vamos rever desonerações, que ferem princípio da igualdade', diz Arida

Política | 21-09-2018 10:40

Em Portugal, Raquel Dodge defende delação premiada e leniência

Em Portugal, Raquel Dodge defende delação premiada e leniência

Política | 21-09-2018 10:30

'Eleição vai definir se Brasil crescerá 4% ou -2% ano que vem', diz Arida

'Eleição vai definir se Brasil crescerá 4% ou -2% ano que vem', diz Arida

PUBLICIDADE