Ex-prefeito é condenado à prisão por vender cerveja roubada em danceteria

Redação Tarobá News
Política | Publicado em 12/09/2019 às 09:32

A Justiça de Cantagalo, na região Centro-Sul do Paraná, condenou à prisão o ex-prefeito Pedro Clarismundo Borelli. A decisão atende denúncia do Ministério Público do Paraná (MP-PR), que afirma que o então governante da cidade receptou uma carga roubada de quase 4 mil unidades de cerveja e vendeu na danceteria que era dono. A decisão foi publicada no último dia 3 de setembro.

Segundo o MP-PR, a carga foi saqueada após o tombamento de um caminhão na BR-277. A cerveja é avaliada em R$ 6.753,24, mas Borelli teria pago  R$ 4.000,00 por ela.

De acordo com a sentença do juiz Rodrigo de Lima Mosimann, o ex-prefeito também terá de pagar o valor avaliado para a empresa que sofreu o prejuízo da perda, acrescido de correção monetária (INPC) e juros de mora na razão de 1% ao mês, desde a data do evento.

Nas alegações finais, o MP-PR chegou a pedir aumento da pena, justificando que na dosimetria da pena, que Borelli é uma pessoa a quem a população depositou confiança em processo eletivo. “Ademais, valeu-se da estrutura que a Prefeitura lhe proporcionava para consecução de seu intento criminoso, enviando motorista da Prefeitura como porta-voz de sua intenção criminosa por duas vezes”.

Como Borelli responde a vários outros processos, Mosimann fixou o início da pena em regime semiaberto.


Fonte: Banda B.



Relacionados

Política | 21-02-2020 16:45

Gilmar mantém Neudo Campos na prisão por desvios de R$ 300 milhões

Gilmar mantém Neudo Campos na prisão por desvios de R$ 300 milhões

Curitiba | 21-02-2020 16:06

Cleiton Costa será o próximo artista a receber o mérito “Darci Israel”

Cleiton Costa será o próximo artista a receber o mérito “Darci Israel”

Ponta Grossa | 21-02-2020 16:04

Ponta Grossa deve adotar medidas sugeridas pelo controle interno

Ponta Grossa deve adotar medidas sugeridas pelo controle interno

Cascavel | 21-02-2020 14:55

"A Grande imprensa" do Brasil revela-se sombria

"A Grande imprensa" do Brasil revela-se sombria

PUBLICIDADE