Fechamento de ano fiscal suspende atendimento de prefeitura

Redação Tarobá News
Política | Publicado em 06/01/2020 às 12:10

Foto: Caroline Vicentini/NCS/PMI

A prefeitura de Ibiporã está fechada para atendimento à população até o dia 12 de janeiro. O motivo segundo a administração é o fechamento do ano fiscal. Até a data, há somente expediente interno. O atendimento será retomando na segunda-feira (13), a partir das 8 horas.

O Setor de Protocolos continua aberto, mas apenas para informações e registrar protocolos. Algumas secretarias também estão com expediente alterado neste início de ano em função das férias dos servidores municipais.

Bibliotecas Pública e Cidadã: Fecham no mês de janeiro, retornando o atendimento ao público a partir de 03 de fevereiro de 2020. Já a Indústria do Conhecimento do SESI atende depois do meio-dia no dia 02 de janeiro. De 06 de janeiro a 12 de fevereiro estará fechada para férias.

Educação
Rede Municipal de Ensino: 
Os estudantes estão em férias escolares e retornam às aulas em 05 de fevereiro.
Secretaria Municipal de Educação: O
atendimento ao público encerrou-se no último dia 20 e retorna ao normal no dia 27 de janeiro.

Trabalho
Agência do Trabalhador e Secretaria Municipal do Trabalho: 
Estão fechadas para atendimento ao público até o dia 17 de janeiro devido à fruição de férias coletivas dos servidores. O atendimento voltará ao normal na segunda-feira (20), a partir das 8 horas. 



Relacionados

Cascavel | 02-04-2020 08:18

Eleições municipais serão mantidas para outubro

Eleições municipais serão mantidas para outubro

Londrina | 01-04-2020 19:19

Projetos do executivo para conter crise econômica chegam à Câmara Municipal

Projetos do executivo para conter crise econômica chegam à Câmara Municipal

Cascavel | 01-04-2020 15:11

Pacheco é o relator do pedido de calamidade pública em Cascavel

Pacheco é o relator do pedido de calamidade pública em Cascavel

Política | 01-04-2020 13:24

Doria elogia pronunciamento de Bolsonaro, mas pede 'coerência' do presidente

Doria elogia pronunciamento de Bolsonaro, mas pede 'coerência' do presidente