Gilmar Mendes absolve sumariamente Yeda Crusius de acusação de crime ambiental

Estadão Conteúdo
Política | Publicado em 01/06/2017 às 16:20

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, absolveu sumariamente a deputada e ex-governadora do Rio Grande do Sul Yeda Crusius (PSDB/2007-2011), acusada de supostos crimes ambientais por atividade de silvicultura em área de conservação. A decisão por extinção da ação penal contra a tucana acolhe manifestação da Procuradoria-Geral da República.

"Não há prova de que (Yeda) tenha contribuído de forma relevante para a exploração da atividade potencialmente poluidora", assinalou o ministro.

Yeda, quando governadora, assinou o Decreto Estadual 47.729, de 30 de dezembro de 2010, alterando os limites da Unidade de Conservação. A Procuradoria-Geral da República destaca que ela tomou a medida "atendendo a recomendações da área competente".

"Dessa forma, não há indicativos de que a denunciada atuou ciente de que estaria contrariando as normas legais e regulamentares pertinentes, ou mesmo de que sua decisão daria causa a dano relevante à Unidade de Conservação", argumenta Gilmar Mendes.

"Nesse contexto, a deputada federal deve ser sumariamente absolvida", decretou o ministro.

Gilmar observou que a Procuradoria opinou pela absolvição sumária da parlamentar, "por falta de prova da participação", e pela cisão da ação penal em relação aos demais réus - o processo contra estes seguirá na primeira instância no Rio Grande do Sul.



Relacionados

Política | 21-02-2019 10:40

Governo cria canal para nomeações no segundo escalão

Governo cria canal para nomeações no segundo escalão

Política | 21-02-2019 10:10

No STF, Fachin nega mais um pedido de liberdade de Lula

No STF, Fachin nega mais um pedido de liberdade de Lula

Ibiporã | 21-02-2019 08:33

Ibiporã: Carnês do IPTU começam a ser entregues nesta quinta-feira

Ibiporã: Carnês do IPTU começam a ser entregues nesta quinta-feira

Política | 21-02-2019 08:15

Tribunal da Lava Jato nega pedido de novo interrogatório de Eduardo Cunha

Tribunal da Lava Jato nega pedido de novo interrogatório de Eduardo Cunha