Governo apresenta ao G7 cenário da atividade portuária

Redação Tarobá News
Política | Publicado em 16/04/2019 às 19:31

Com a participação do vice-governador Darci Piana, a administração dos Portos do Paraná fez uma apresentação nesta terça-feira (16) para representantes do setor produtivo do Estado sobre o cenário atual da atividade portuária no Paraná. Dados estatísticos, obras em andamentos e projetos futuros foram os assuntos apresentados pelo diretor-presidente Luiz Fernando Garcia durante uma oficina técnica, no auditório do Sistema Ocepar, em Curitiba.

O evento, organizado pelo G7 (grupo que reúne sete federações do setor Produtivo do Paraná), em parceria com a Itaipu Binacional, Fundação Parque Tecnológico de Itaipu (FPTI) e Sebrae, foi aberto pelo vice-governador Darci Piana.

“São fundamentais essas discussões que foram provocadas hoje, pelo G7, com conhecimento de ferrovia, portos, aeroportos, rodovias, ferrovias, hidrovias, para que a gente forme uma base sólida para decisões fundamentais que o Estado do Paraná precisa tomar nos próximos dias, em função do que está sendo planejado pelo Estado para a nossa infraestrutura”, afirmou o vice-governador.

Para ele, essas discussões que reúnem os diversos setores só trazem benefícios para toda a cadeia. “O Governo do Estado está sempre preocupado em trazer o empresariado junto para as grandes decisões do Estado. Esse encontro foi fundamental para a formação da opinião do Governo”, acrescentou.

Também participaram do momento inicial dos debates o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex; o diretor-geral do DER, João Alfredo Zampieri; o presidente da Faep, Ágide Meneguette; o presidente do Movimento Pró-Paraná, Marcos Domakoski; e o assessor especial da diretoria de Coordenação da Itaipu, Jorge Ricardo Aureo Ferreira.

PORTOS - A apresentação da Administração dos Portos do Paraná abriu a segunda etapa da oficina. Para o diretor-presidente dos Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia, a gestão da nova administração é pautada na redução dos custos logísticos para o setor produtivo do Estado e na agilidade aos projetos de ampliação da capacidade operacional dos portos.

“Como a gente faz isso? Melhorando a eficiência, com novos investimentos, tanto no complexo público - com a remodelação do Corredor existente - quanto com novos terminais que agregam valor competitivo às cargas movimentadas pelos Portos do Paraná, oferecendo uma infraestrutura adequada aos usuários”, explica.

Segundo ele, é importante o Porto ir até o cliente, porque não é a gravidade que faz com que Paranaguá seja eleita para o escoamento dos produtos, mas, sim, a competitividade frente aos demais portos.

Garcia acrescenta que essa união é importante porque toda ação de infraestrutura exige planejamento e tempo de implantação. “Com essa antecipação a gente consegue validar nossa programação e tocar com tranquilidade as obras. Sempre pensando juntos”, afirmou.

OFICINA – O superintendente da Federação e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), Nelson Costa, diz que todas as federações, com parceiros e apoio do Governo do Estado, estão iniciando o trabalho de pensar o Paraná para o ano de 2040.

“Nesse momento, estamos iniciando uma discussão com todos os atores envolvidos na questão de infraestrutura e logística. Queremos ouvir o que existe de projetos em andamento, o que o Estado e as empresas estão pensando para que possamos realizar esse trabalho de pensar o Paraná para daqui 20 ou 30 anos”.

AEN



Relacionados

Política | 18-04-2019 15:11

'Mordaça, mordaça', diz Marco Aurélio sobre censura

'Mordaça, mordaça', diz Marco Aurélio sobre censura

Política | 18-04-2019 14:20

Relação de Bolsonaro com Doria é excelente, diz Joice Hasselman

Relação de Bolsonaro com Doria é excelente, diz Joice Hasselman

Política | 18-04-2019 11:35

Imprensa é essencial para que 'chama da democracia não se apague', diz Bolsonaro

Imprensa é essencial para que 'chama da democracia não se apague', diz Bolsonaro

Política | 18-04-2019 11:25

Brasil perde 3 posições em ranking de liberdade de imprensa; é 105º de 180 países

Brasil perde 3 posições em ranking de liberdade de imprensa; é 105º de 180 países