Indecisos caíram de 80 para 60 deputados, diz vice-líder do governo

Estadão Conteúdo
Política | Publicado em 25/07/2017 às 13:00

Foto: Divulgação

A nove dias da votação da denúncia por corrupção passiva na Câmara, o presidente Michel Temer acredita que as ligações que fez a parlamentares apresentando sua defesa resultaram na redução de 80 para 60 do número de deputados indecisos, afirmou nesta terça-feira o vice-líder do governo na Casa, Beto Mansur (PRB-SP).

Como mostrou o Broadcast Político, desde esta segunda-feira, 24, Temer está ligando para deputados indecisos. Na conversa, o presidente apresenta sua defesa e pede que os parlamentares a leiam. Diz ainda que é inocente e ressalta que é importante que deputados votem com consciência, convencidos de que ele não cometeu crime.

Para barrar a denúncia, o governo precisa de, no mínimo, 172 votos. Mansur diz que o Palácio do Planalto já contabiliza cerca de 280 votos. Temer, contudo, quer rejeitá-la com um placar maior, de 300 deputados, para dar uma demonstração de força política contra esta e futuras denúncias apresentadas pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

No esforço para angariar mais governo, Mansur disse que o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, convocará uma reunião de líderes da base aliada para fazer uma contagem de votos. O encontro, disse, está previsto para quinta-feira, 27. A votação da denúncia no plenário está marcada para a próxima quarta-feira, 2 de agosto.



Relacionados

Política | 21-05-2018 20:00

PT marca novo lançamento da pré-candidatura de Lula, diz deputado

PT marca novo lançamento da pré-candidatura de Lula, diz deputado

Política | 21-05-2018 18:49

Prefeitura anuncia mais mudanças no secretariado municipal

Prefeitura anuncia mais mudanças no secretariado municipal

Política | 21-05-2018 15:20

TSE não deve decidir sobre cota feminina no fundo eleitoral, defende área técnica

TSE não deve decidir sobre cota feminina no fundo eleitoral, defende área técnica

Política | 21-05-2018 14:10

Para Bolsonaro, é melhor menos direitos trabalhistas que perder o emprego

Para Bolsonaro, é melhor menos direitos trabalhistas que perder o emprego