Londrina
Cascavel

Tarobá FM

  • Londrina
  • Cascavel

Julgamento de Lula é “terceiro ato do golpe”, diz Dilma

19/01/18 às 13:43 - Escrito por Redação Tarobá News

Em entrevista ao Correio do Povo, a ex-presidente Dilma Rousseff disse que o julgamento de Luiz Inácio Lula da Silva pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) é continuação do processo de impeachment – que a retirou da presidência da República – e que, agora, tenta, segundo ela, “destruir o PT”.

“Ele (o julgamento) é um terceiro ato de um processo de golpe de Estado diferente dos tradicionais, que tinha como base intervenções militares, agora como base a mitigação da democracia. Esse processo, que começa com o impeachment sem crime de responsabilidade, se desdobra em outras medidas aprovadas pelo governo golpista sem legitimidade da democracia dada pela eleição”, ressaltou a ex-presidente, ao jornalista Juremir Machado, em sua residência no bairro Tristeza, zona Sul de Porto Alegre.

Dilma explicou que após o impeachment, a segunda etapa do “golpe” foi a tentativa da oposição de “destruir o PT” e a terceira seria “ inviabilizar o poder de liderança de Lula com este julgamento”, marcado para a próxima quarta-feira, às 8h30min, em Porto Alegre.

“Há um desequilíbrio em todas as instituições”

Questionada se a Justiça faz parte desta etapa do golpe, Dilma disse que “as relações de poderes estão completamente comprometidas”. “Há vários conflitos, desde o julgamento de Aécio (Neves – PSDB-MG) no Supremo (Tribunal Federal) e que o senado cassou Senado (o STF havia determinado afastamento do senador e recolhimento noturno, contudo o Senado derrubou a decisão). Há um desequilíbrio nas decisões do judiciário. Há um desequilíbrio em todas as instituições”.

“Não tenho consideração positiva sobre o governo Temer”

A ex-presidente comentou ainda sobre as ações do seu ex-vice, agora, presidente do Brasil. E classificou com “de baixa qualidade” as nomeações de Temer para os cargos de ministros. “Não tenho qualquer consideração positiva sobre o governo Temer”, enfatizou.

“Está escancarado que o presidente da República conversou com um empresário e que seu principal assessor foi gravado com uma mala. Tem uma problema no decreto de portos. Tem um problema sério nas nomeações da Caixa. Essa confusão cria possibilidade de absurdos”, resumiu a presidente.

Leia a reportagem completa em Correio do Povo

© Copyright 2022 Grupo Tarobá