Justiça Eleitoral nega pedido de prisão de Garotinho

Estadão Conteúdo
Política | Publicado em 05/06/2017 às 14:45

Foto: Inácio Teixeira/ Coperphoto

A Justiça Eleitoral negou, nesta segunda-feira, 5, o pedido de prisão do ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PR). Na decisão, o juiz eleitoral Glaucenir Silva de Oliveira afirma que não consegue "enxergar como o réu poderia usar matérias nada jornalísticas para atacar autoridades". O pedido foi feito pelo Ministério Público Estadual em Campos dos Goytacazes, norte do Estado do Rio, na última sexta-feira, 2.

Suspeito de usar um programa assistencial chamado Cheque Cidadão para fraudar a eleição municipal de Campos no ano passado, Garotinho foi acusado pelo promotor Leandro Manhães de ameaçar uma testemunha, por meio de terceiros. A suposta ameaça foi relatada pela radialista Elizabeth Gonçalves em depoimento à polícia em maio.

Outra acusação feita pelo promotor é de que Garotinho esteja usando seu blog para atacar testemunhas ainda não ouvidas no processo. Em novembro passado, Garotinho foi preso por causa dessa mesma ação, mas conseguiu um habeas corpus.

Em nota divulgada na sexta-feira, 2, o advogado Fernando Fernandes, que defende Garotinho, afirmou que o promotor "está desafiando o Tribunal Superior Eleitoral". Segundo ele, as razões que embasam o pedido "são uma afronta à decisão do TSE que deu liberdade de manifestação ao ex-governador".



Relacionados

Política | 24-09-2018 22:45

Mercadante prevê que Ciro e Haddad estarão juntos no 2º turno

Mercadante prevê que Ciro e Haddad estarão juntos no 2º turno

Política | 24-09-2018 22:45

Haddad prevê que ideias de Bolsonaro vão "virar pó na eleição"

Haddad prevê que ideias de Bolsonaro vão "virar pó na eleição"

Política | 24-09-2018 19:53

DF terá quase 10 mil agentes para garantir segurança nas eleições

DF terá quase 10 mil agentes para garantir segurança nas eleições

Política | 24-09-2018 19:40

Ibope: sob ataque, Bolsonaro estaciona em 28%; Haddad vai a 22%

Ibope: sob ataque, Bolsonaro estaciona em 28%; Haddad vai a 22%

PUBLICIDADE