Marcos Pontes tem alta do hospital após atendimento de urgência, diz ministério

Estadão Conteúdo
Política | Publicado em 12/09/2019 às 15:15

O Ministério da Ciência e Tecnologia informou pelo Twitter que o chefe da pasta, Marcos Pontes, passou por um atendimento de urgência nesta quinta-feira, 12, mas que já foi liberado com a recomendação de repouso absoluto por 48 horas.

O ministério publicou uma nota do Hospital das Forças Armadas que atendeu Pontes nesta manhã. Ele deu entrada às 7h45 com tontura, náuseas, vômitos e sudorese. A informação é que ele já estava com esses sintomas há uma semana, mas que o quadro se intensificou na madrugada de ontem para hoje.

Pontes passou por avaliação clínica e pela otorrinolaringologista, fez exames, foi medicado e passou a manhã em observação, antes de ser liberado.

O ministro era aguardado hoje na Comissão de Meio Ambiente da Câmara, mas não pôde comparecer devido ao seu estado de saúde.

Pontes, de 56 anos, foi o primeiro - e único - astronauta brasileiro. Ele viajou ao espaço em 2006, a bordo de um foguete russo. No governo, o ministro tem sofrido com cortes no orçamento. Recentemente, anunciou que sua pasta não terá dinheiro para pagar bolsas de pesquisas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) até o fim do ano.



Relacionados

Política | 20-02-2020 14:00

Governador da BA diz que vídeo publicado por Flávio Bolsonaro não é de Adriano

Governador da BA diz que vídeo publicado por Flávio Bolsonaro não é de Adriano

Política | 20-02-2020 13:46

Flávio Bolsonaro visitava Adriano na cadeia, diz ex-companheiro de miliciano

Flávio Bolsonaro visitava Adriano na cadeia, diz ex-companheiro de miliciano

Política | 20-02-2020 13:01

'Temos de transformar aparente desentendimento em algo construtivo', diz Guedes

'Temos de transformar aparente desentendimento em algo construtivo', diz Guedes

Política | 20-02-2020 13:01

Petrobras: juíza manda delatores pagarem R$ 1 mi por 'frustração' de funcionários

Petrobras: juíza manda delatores pagarem R$ 1 mi por 'frustração' de funcionários