Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Prefeita de Presidente Castelo Branco e empresa são punidos por contratação irregular

28/05/19 às 16:08 - Escrito por Redação Tarobá News
siga o Tarobá News no Google News!

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná determinou que a prefeita de Presidente Castelo Branco, Gisele Potila Faccin Gui (gestões 2013-2016 e 2017-2020), e a empresa Maurício Carneiro Advogados Associados devolvam ao cofre desse município da região Norte R$ 52.628,55 corrigidos monetariamente desde 2013. A contratada foi remunerada em valor superior ao pago para o cargo efetivo de procurador jurídico do município, o que contraria o Prejulgado nº 6 do TCE-PR.

A decisão decorre do julgamento de Tomada de Contas Extraordinária, instaurada após a comprovação da irregularidade pelos sistemas eletrônicos do TCE-PR que acompanham os atos da gestão municipal. Além da questão dos valores pagos à empresa, os técnicos do órgão de controle externo apontaram outra irregularidade: a ausência de complexidade dos serviços contratados.

A empresa Maurício Carneiro Advogados Associados foi contratada para a prestação de serviços jurídicos especializados em assessoria e consultoria jurídica de forma suplementar aos existentes no município. O valor contratual foi de R$ 8.490,00 mensais - o montante pago à empresa atingiu R$ 67.028,55. A remuneração mensal do cargo de procurador jurídico era de R$ 2.400,00, totalizando R$ 14.400,00 no mesmo período. Foram gastos R$ 52.628,55 a mais do que teria sido pago, durante seis meses, a um segundo assessor jurídico hipoteticamente nomeado.

Leia mais:

Imagem de destaque
SAIBA MAIS

TSE rejeita recurso de Cloara Pinheiro; defesa diz que decisão não afeta mandato

Imagem de destaque
ACUSADO DE XENOFOBIA

Câmara de Apucarana descarta cassação de Vereador

Imagem de destaque
ENTENDA

STF anula mais uma condenação de Moro contra André Vargas na Lava Jato

Imagem de destaque
ENTENDA

Terminal Rodoviário é novo ponto de votação para as eleições de 2024

A Coordenadoria de Gestão Municipal (CGM), responsável pela instrução do processo, opinou pela procedência da Tomada de Contas Extraordinária, com aplicação de sanções. O Ministério Público de Contas (MPC-PR) teve o mesmo posicionamento. O relator do processo, conselheiro Ivan Bonilha, acatou as manifestações da CGM e do MPC-PR.

Além da devolução solidária de R$ 52.628,55, corrigidos monetariamente, a prefeita e o proprietário da contratada receberam multas individuais na proporção de 10% do valor do dano. Já a então controladora interna, Isabel Aparecida Niedo Nasser, recebeu uma multa - de R$ 1.450,98, cujo valor deve ser corrigido na ocasião do pagamento -, em razão da omissão no dever de fiscalizar. As multas estão previstas nos artigos 87 e 89 da Lei Orgânica do TCE-PR (Lei Complementar Estadual nº 113/2005).

Bonilha também propôs o envio de cópias dos autos do processo ao Ministério Público Estadual. Os demais conselheiros que compõem a Segunda Câmara do TCE-PR acompanharam, por unanimidade, o voto do relator, na sessão de 23 de abril. A decisão, da qual cabe recurso, está contida no Acórdão nº 1066/19 - Segunda Câmara, veiculado em 6 de maio, na edição nº 2.051 do Diário Eletrônico do TCE-PR (DETC).

Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá