Procuradoria mira acordo de delação de ex-braço direito de Delcídio

Estadão Conteúdo
Política | Publicado em 13/01/2019 às 14:35

Foto: Agência Brasil

A procuradora-geral, Raquel Dodge, requereu ao Supremo o desarquivamento dos autos do processo relativo ao ex-assessor parlamentar do ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT/MS). Em novembro de 2016, Diogo Ferreira Rodrigues foi preso com o então senador e assinou acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal.

Pelo acordo, Diogo Rodrigues ficou obrigado a pagar multa compensatória em favor da União e a prestar serviços à comunidade no Parque Nacional de Brasília.

A medida busca verificar se os valores depositados a título de multa compensatória já foram revertidos em favor da União, conforme cláusula do acordo de delação, e se o colaborador cumpriu integralmente a prestação de serviços à comunidade.

Diogo Rodrigues apresentou folhas de frequência da prestação de serviços no Parque Nacional de Brasília, referentes a quatro meses - junho a setembro de 2016 -, do total de um ano a ser cumprido.

Raquel pede que a 10.ª Vara Federal do Distrito Federal encaminhe as folhas de frequência referentes a outubro de 2016 e aos meses seguintes até o fim do prazo da prestação de serviços.

A manifestação da PGR foi na Petição 6.049, autuada para homologação do acordo de colaboração premiada firmado entre o Ministério Público Federal e Diogo.



Relacionados

Corbélia | 19-03-2019 18:00

Vereador diz durante sessão que não tempo de analisar projetos

Vereador diz durante sessão que não tempo de analisar projetos

Política | 19-03-2019 17:55

Segunda Turma do STF manda inquérito de Lindbergh para Justiça Eleitoral

Segunda Turma do STF manda inquérito de Lindbergh para Justiça Eleitoral

Curitiba | 19-03-2019 15:40

Homem armado invade creche e rende funcionárias para roubo

Homem armado invade creche e rende funcionárias para roubo

Política | 19-03-2019 15:25

Flávio Bolsonaro: representação do PSL contra MP é para separar joio do trigo

Flávio Bolsonaro: representação do PSL contra MP é para separar joio do trigo