Projeto prevê multa para quem usar drogas em locais públicos em Londrina

Murilo Pajolla
Política | Publicado em 22/08/2019 às 17:38

Foto: reprodução/Smoke Buddies

A Câmara de Londrina deve votar na próxima terça-feira (27) um projeto de lei de que proíbe o consumo de drogas ilícitas em todos os horários em locais públicos como avenidas, rodovias, ruas, calçadas, praças, ciclovias e outros espaços públicos do município. 

De acordo com a proposta,  quem descumprir a lei será multado em R$ 500 ou em R$ 1 mil em caso de reincidência. Os valores arrecadados com as multas deverão ser revertidos a programas educativos e/ou preventivos sobre o uso de drogas.

O texto deveria ter sido discutido na sessão desta quinta-feira (22), mas foi retirado de pauta porque o autor do projeto, vereador Jamil Janene (PP) não estava no plenário no momento da votação. 

Para entrar em vigor, o projeto deve ser aprovado pelos vereadores e sancionado pelo prefeito Marcelo Belinati (PP). A proibição também valeria para hall de entrada dos edifícios e estabelecimentos comerciais que sejam conexos à via pública.

Na avaliação do 5º Batalhão da PM o projeto é inconstitucional, já que o assunto é regulamentado por lei federal. Por isso, o município não teria competência para legislar sobre a matéria. Conforme a PM, a referida lei já proíbe a posse e o consumo de drogas ilícitas em qualquer ambiente, seja público ou privado.

Com assesoria CML 



Relacionados

Política | 26-02-2020 14:00

Gleisi anuncia manifestações para enfrentar 'escalada autoritária' de Bolsonaro

Gleisi anuncia manifestações para enfrentar 'escalada autoritária' de Bolsonaro

Política | 26-02-2020 11:15

Bolsonaro divulga vídeo para ato contra o Congresso Nacional

Bolsonaro divulga vídeo para ato contra o Congresso Nacional

Política | 26-02-2020 08:15

Lula cobra posição 'urgente' do Congresso contra vídeo de Bolsonaro

Lula cobra posição 'urgente' do Congresso contra vídeo de Bolsonaro

Política | 26-02-2020 07:30

Tucanos cobram uma 'reação' do PSDB ao governo Bolsonaro

Tucanos cobram uma 'reação' do PSDB ao governo Bolsonaro