STJ quebra sigilo telefônico do governador de Santa Catarina

Estadão Conteúdo
Política | Publicado em 05/06/2017 às 18:25

O ministro Luis Felipe Salomão autorizou, nesta segunda feira, 5, a quebra de sigilo telefônico do governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD). O político é investigado em um desdobramento da Operação Lava Jato por supostamente ter recebido R$ 2 milhões em caixa dois de executivos da construtora Odebrecht, durante a campanha eleitoral de 2010.

A quebra do sigilo corresponde ao período de 1.º de junho de 2012 a 28 de fevereiro de 2015. O ministro também afastou o sigilo telefônico do ex-secretário da Fazenda de Santa Catarina, Antônio Gavazzoni, do ex-secretário de Comunicação Ênio Branco, apontado nas investigações como "intermediário", e dos executivos Fernando Reis e Paulo Roberto Welzel, da Odebrecht, delatores do suposto repasse.

Segundo o ministro, a quebra de sigilo "é essencial para que se possa identificar eventual comunicação entre os agentes e a confirmação de sua localização nas datas e períodos apontados".

Ainda segundo Salomão, há indícios suficientes para justificar o deferimento da medida, solicitada pelo Ministério Público Federal, "e que o direito à intimidade não pode servir de instrumento de salvaguarda para práticas ilícitas".

Defesa

O assessor do governo de Santa Catarina, Claudio Thomas, afirmou que o governador Raimundo Colombo "apoia integralmente a decisão da Justiça e que a medida é a melhor forma de esclarecer os fatos".



Relacionados

Política | 30-11-2018 18:50

Dilvo Grolli se encontra com Jair Bolsonaro no Rio de Janeiro

Dilvo Grolli se encontra com Jair Bolsonaro no Rio de Janeiro

Londrina | 30-11-2018 17:32

"Puxaram a minha orelha", diz prefeito sobre ter atrasado IPTU de sua casa

"Puxaram a minha orelha", diz prefeito sobre ter atrasado IPTU de sua casa

Virmond | 30-11-2018 17:30

Multados, em R$ 16,2 mil, ex-prefeita e servidor comissionado

Multados, em R$ 16,2 mil, ex-prefeita e servidor comissionado

Política | 30-11-2018 17:30

PGR pede que coligação do PT devolva valores usados com candidatura de Lula

PGR pede que coligação do PT devolva valores usados com candidatura de Lula