Linha 4

Publicidade

Vereadores aprovam mudança no Regime de Previdência Complementar do Município

Redação Tarobá News

Em regime de urgência, os vereadores de Londrina aprovaram, em primeira discussão, nesta quinta-feira (21), o projeto de lei que instituiu o Regime de Previdência Complementar no Município de Londrina. Foram 14 votos favoráveis, 1 abstenção e três ausências. 

As mudanças foram propostas pelo prefeito Marcelo Belinati (PP) após estudos realizados pela Comissão Executiva criada para providenciar medidas necessárias à implantação e funcionamento do Regime de Previdência Complementar. 

Entre outras alterações, o PL explicita a garantia de que o servidor que tenha ingressado antes da vigência do Regime de Previdência Complementar local não ficará sujeito ao limite máximo de beneficio do INSS, salvo por expressa opção. O projeto também exclui a exigência de que a entidade fechada de previdência complementar seja de natureza pública. 

"Qual é o objetivo principal dessa lei? Tem várias situações que a gente está ajustando, mas é permitir que haja maior número de entidades para participar do processo. A lei está restringindo para que seja entidade de natureza pública. A gente tá retirando isso, porque a Constituição Federal não exige mais isso", explicou Paulo César Ramos, assessor técnico da Caixa de Assistência, Aposentadoria e Pensões dos Servidores Municipais de Londrina (Caapsml) durante a sessão.

O vereador Madureira (PTB), líder do Executivo na Câmara, disse que a urgência para votação do projeto se justifica pelo fato de o município ter até a metade de novembro deste ano para firmar termo de adesão com a entidade que vai administrar o Plano de Previdência Complementar. 

Ele ressaltou que a adesão dos funcionários públicos municipais ao plano será opcional e que ele não haverá alteração na situação dos aposentados. "Aprovando essa lei, ela vai ampliar a escolha das empresas, que poderão vir, inclusive com mais benefícios para os servidores. (…) Tenho certeza que esse é um projeto que veio a dar segurança pro servidor. Mesmo quem já tem algum tipo de plano [de previdência complementar], se quiser, poderá mudar. E para quem já está aposentado esse projeto não altera em nada", afirmou.

Durante a tramitação, o projeto recebeu parecer favorável da Comissão de Justiça, Legislação e Redação, bem como da Comissão de Seguridade Social e da Comissão de Administração, Serviços Públicos, Fiscalização e Transparência.

COMENTÁRIOS

Publicidade

Publicidade

Nós usamos cookies teste site para lhe proporcionar a melhor experiência possível lembrando de preferências em visitas anteriores. Clicando em "Aceitar" você aceita o uso de cookies e nossos Termos de Uso.