Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

CMTU lança campanha pedindo redução da velocidade em Londrina

05/09/22 às 15:56 - Escrito por Redação Tarobá News

Com o objetivo de reduzir a violência nas ruas e estimular entre a população londrinense um novo entendimento sobre o trânsito, a Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU) lançou, nesta segunda-feira (5), a campanha “Por favor, reduza a velocidade”.


A iniciativa consiste na conscientização da sociedade sobre os perigos em abusar do acelerador, baseando-se em estudos que indicam que, quanto maior a velocidade desenvolvida por um veículo, maiores são as chances de morte em casos de acidentes.


De acordo com o presidente da CMTU, Marcelo Cortez, a ideia deve funcionar em duas frentes. “A intenção inicial é sensibilizar os motoristas para a execução dessas medidas. A campanha contará com a veiculação de vídeos em que figuras públicas da cidade (parceiros da ação) se unem em um apelo ao motorista para que diminua a rapidez nos deslocamentos”, indicou.


Em paralelo a isso, a CMTU fará – de maneira escalonada – o início da padronização em 50 km/h da velocidade máxima na maior parte das avenidas do município. A primeira via a receber a adequação foi a avenida Angelina Ricci Vezozzo, na região norte, onde o novo limite de circulação passou a vigorar no início de agosto.


A ação (Programa Visão Zero), que tem sido adotada em centros urbanos no Brasil e no mundo, vem de encontro à constatação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que altas velocidades provocam um efeito de afunilamento no campo visual do condutor, dificultando a percepção de pessoas e obstáculos nas ruas.


Conforme a entidade, em situações de atropelamento, o risco de morte para o pedestre é de 100% se o automóvel estiver a 80 km/h. Já a 60 km/h a probabilidade de óbito cai para 80%. O risco de morte cai para 40% quando o motorista trafega em vias de 50 km/h. Já quando o veículo está a 40 km/h, a probabilidade reduz para 20%.


De acordo com o diretor de Trânsito da CMTU, Major Mário Celso Andrade, a ideia é dar ao condutor mais condições de reação ante aos imprevistos que podem surgir no cotidiano das vias. “Os estudos sugerem que, a 50 km/h, mesmo se houver a colisão, o impacto e os danos serão menores”, pontuou.


Ele explicou que a diretoria tem analisado em quais vias deve ser implementada a novidade. Essa avaliação, segundo ele, leva em conta as características do trânsito em cada área. “Corredores que abrigam escolas, estabelecimentos de saúde e outros polos geradores de tráfego, por exemplo, poderão ter a velocidade restringida até mesmo a 40 km/h”, afirmou.


Novas abordagens – O lançamento da campanha “Por favor, reduza a velocidade” está alinhado com o programa “Visão Zero”, criado e desenvolvido na Noruega a partir de 1997. A abordagem tem como conceito a compreensão da vida como prioridade, tirando os veículos do centro dos debates sobre trânsito e mobilidade urbana.


Desde o ano de lançamento, o país europeu investiu na redução gradual da velocidade máxima nas vias, no alargamento de calçadas, na expansão da malha cicloviária, fixação do transporte coletivo como principal modal de locomoção, entre outros pontos.


Em Londrina, a adoção do “Visão Zero” perseguirá o entendimento de que nenhuma morte no trânsito é aceitável e de que seres humanos cometem erros, mas que essas falhas não devem resultar na perda de vidas.


A abordagem buscará também o compartilhamento de responsabilidades entre quem projeta, constrói, gerencia, fiscaliza e faz uso das vias, promovendo a gestão da segurança no trânsito de forma integrada e proativa.


Além do plano de diminuir a velocidade máxima permitida nos principais corredores de tráfego, o Município tem investido na construção de lombadas e faixas elevadas, no contínuo monitoramento e ajuste da sinalização, na melhoria do sistema de transporte coletivo, assim como na ampliação de ciclovias e ciclofaixas.

© Copyright 2022 Grupo Tarobá