Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Brasil pode ampliar exportações de superalimentos até 2030

07/04/24 às 17:04 - Escrito por Band
siga o Tarobá News no Google News!

No Brazil SuperFoods Summit, evento que reuniu exportadores e importadores do setor de feijões, pulses e colheitas especiais, ApexBrasil e IBRAFE celebraram a nova parceria de R$ 3,5 milhões para a internacionalização do setor.


Até 2030, o consumo global de proteínas alternativas às carnes deve crescer substancialmente. Os feijões, as lentilhas, o grão-de-bico e o gergelim, conhecidos como “superalimentos” pela riqueza em nutrientes, serão cada vez mais protagonistas nas dietas mundo a fora. Segundo a Bloomberg, o mercado desses produtos pode chegar a US$ 162 bilhões até o final da década.


Para explorar esse potencial, exportadores e importadores do setor reuniram-se em Brasília para a segunda edição do Brazil SuperFoods Summit, realizado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e o Instituto Brasileiro de Feijão e Pulses IBRAFE.

Leia mais:

Imagem de destaque
2024/2025

Plano Safra pode ter novo recorde no crédito rural, avalia Fávaro

Imagem de destaque
EM ENTREVISTA

"Temos arroz para todo país", diz Federação da Agricultura do RS

Imagem de destaque
PERDAS NO RS

Maior demanda aumenta o preço do arroz nos últimos dias

Imagem de destaque
SEGUNDA QUINZENA

Preços domésticos de café reagem após recuo no início de maio


O evento ocorreu nos dias 2 e 3 de abril, em Brasília, atraindo representantes de 12 países em torno de discussões sobre o futuro do Brasil como fornecedor desses superalimentos. Os presidentes da ApexBrasil, Jorge Viana, e do IBRAFE, Marcelo Lüders, aproveitaram a oportunidade para oficializar um novo convênio entre as entidades para promover a internacionalização do setor, com duração de 24 meses e recursos no valor de R$ 3,5 milhões (R$ 1,76 milhões aportados por cada entidade).


O Brasil é o único país que tem três safras de feijão por ano. De acordo com a FAO, em 2022 foi o segundo maior produtor de feijões secos do mundo, com 2,8 milhões de toneladas, atrás apenas da Índia. Mesmo assim, há forte expectativa de crescimento, tanto na produção como na exportação de excedentes, já que em 2023 as vendas internacionais foram de US$ 127 milhões, abaixo do recorde de US$ 212 milhões registrado em 2021.


“Quando a gente firma convênios, o comércio exterior cresce. Atualmente nós estamos 500 mil toneladas [na produção de feijões] atrás do que já estivemos, então há muito o que crescer. Precisamos explorar mais todo esse potencial, que é extraordinário”, destacou Viana.


O objetivo da parceria é expandir o mercado de exportação dos pulses e colheitas especiais brasileiras, desde os tradicionais feijões até o inovador gergelim. A meta do projeto para 2025 é que as empresas atendidas pelo projeto alcancem US$ 260 milhões em exportações do setor. Para alcançar esse objetivo, as iniciativas incluem feiras e missões, especialmente na Ásia, principal mercado consumidor desses produtos, e eventos no Brasil com compradores internacionais.


“Essa parceria tem permitido que nós tenhamos uma evolução, ao dar conhecimento ao mundo do que nós podemos produzir no Brasil. Temos hoje a oportunidade de reunir os exportadores, que fazem acontecer o projeto com a ApexBrasil. É um investimento importante, que está levando o marketing do feijão, o conhecimento do feijão para os quatro cantos do mundo”, comemorou Lüders.

Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá