Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Esfriou! Qual é a diferença entre os fenômenos El Niño e La Niña?

17/04/24 às 16:54 - Escrito por BAND
siga o Tarobá News no Google News!

Especialistas em meteorologia estão afirmando que o fenômeno El Niño está se despedindo. Na última terça-feira (16), a agência climática do governo da Austrália, chamada Bureau de Meteorologia (BoM) afirmou que o fenômeno, na verdade, até já acabou. Aqui no Brasil, a Agência Nacional das Águas e Saneamento Básico (Ana) emitiu uma nota técnica, nesta quarta-feira (17) afirmando que o El Niño termina no entre os meses de abril e junho. No entanto, outro fenômeno está chegando, o La Niña. Mas, afinal, qual é a diferença entre os fenômenos climáticos El Niño e La Niña?


De acordo com os meteorologistas da Ana, que criaram um programa de monitoramento do El Niño, a diferença principal dos dois fenômenos está relacionada à temperatura das águas dos oceanos. O El Nino é um fenômeno climático caracterizado pelo aquecimento da superfície do Oceano Pacífico e causador de alterações nos padrões de circulação atmosférica (em todo o planeta!), enquanto o La Niña é um fenômeno que provoca o resfriamento das águas do Oceano Pacífico e provoca chuvas em excesso em algumas regiões e seca extrema em outras. 



Leia mais:

Imagem de destaque
2024/2025

Plano Safra pode ter novo recorde no crédito rural, avalia Fávaro

Imagem de destaque
EM ENTREVISTA

"Temos arroz para todo país", diz Federação da Agricultura do RS

Imagem de destaque
PERDAS NO RS

Maior demanda aumenta o preço do arroz nos últimos dias

Imagem de destaque
SEGUNDA QUINZENA

Preços domésticos de café reagem após recuo no início de maio

Calor enlouquecedor e frio de lascar!

O fenômeno El Niño começou a mostrar seus efeitos no segundo semestre de 2023 e em setembro, provocou uma intensa onda de calor no Brasil (foram várias desde então). A região sul do Brasil, onde predominam plantações de grãos como soja, trigo e milho, sofreu com o excesso de chuvas, enquanto um clima mais seco atingiu as regiões sudeste e centro-oeste, como Mato Grosso, maior produtor de soja do Brasil. O resultado é que o calor em excesso, associado a chuvas ou a secas, prejudicou as plantações em todo o Brasil e, de quebra, fez o brasileiro quase derreter.


De acordo com a Ana, quase todos os modelos que avaliam o clima, n o planeta, apontam para o enfraquecimento do El Niño entre os meses de abril e junho e também, para um período de transição em que predominam condições neutras, ou seja, temperaturas mais agradáveis e chuvas regulares. As projeções do Instituto para Clima e Sociedade (IRI, na sigla em inglês) indicam que haverá (pelo menos) 60 dias “mais neutros”.


No entanto, a previsão já avisa que o fenômeno La Niña deve ser o grande influenciador do clima a partir de julho. Especialistas da Ana estimaram 62% de probabilidade do fenômeno ocorrer no terceiro trimestre do ano, trazendo chuvas mais intensas para as regiões norte e nordeste e seca nas regiões sul e sudeste, acompanhadas de geadas, o que também causa estrago nas lavouras, principalmente as de culturas como café e laranja, por exemplo.


Frio, geada e chuvas

O Instituto de Meteorologia (Inmet) já vinha alertando que o clima ia mudar a partir desta quarta-feira (17) nas regiões sul e nordeste. Essas regiões serão atingidas por uma frente fria e podem ter, além do frio no sul, geadas, e tempestades no nordeste.


De acordo com a previsão, localidades de Santa Catarina e leste do Paraná podem sofrer mais com frio e chuva e, no Rio Grande do Sul, com geadas. A partir da noite de quarta-feira (17) e nos próximos dias, as noites e madrugadas devem ser bem frias. Nas serras, as temperaturas podem chegar a cinco graus.


Já na região Nordeste, a chuva pode ser intensa e deve atingir, principalmente, a região leste, da Bahia até o Rio Grande do Norte, incluindo partes do Ceará e Piauí. Segundo o Inmet, isso pode ocorrer devido a um sistema frontal avançar pelo extremo sul da Bahia e elevar muito a umidade na região. 

Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá