Bolsonaro volta a minimizar covid-19 e diz que Saúde estuda isolamento vertical

Estadão Conteúdo
Brasil | Publicado em 26/03/2020 às 19:30

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, 26, que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, já concordou com a mudança no formato do isolamento horizontal para vertical como medida de combate ao novo coronavírus no País, mas ainda estuda como implementar a medida. O modelo defendido pelo presidente considera apenas isolamento para pessoas do grupo de risco, idosos e aqueles com doenças crônicas. Bolsonaro disse que não há prazo para que a transição ocorra, e que poderia até começar amanhã.

Ele voltou a dizer que "alguns governadores e prefeitos erraram na dose" das medidas de contenção, que incluiu fechamento de comércio e escolas, e que "o povo quer trabalhar". De acordo com Bolsonaro, alguns deles já reavaliam as medidas restritivas.

"A gente consegue aguentar dois, três meses com o plano que está aí? Não sei quanto vai chegar a nossa despesa, centenas de bilhões de reais. Tem que voltar quase tudo (setores da economia). E fazer uma campanha fique em casa. Não deixa o vovô sair de casa, deixa em um cantinho. Quando voltar toma banho, lava as mãos, passa álcool na orelha. É isso daí", declarou.

Sobre a situação crítica em países como Estados Unidos e Itália, Bolsonaro considera que o Brasil não chegará na mesma situação porque os brasileiros possuem algum tipo de diferenciação. "Acho que não vai chegar a esse ponto, até porque o brasileiro tem que ser estudado, não pega nada. Vê o cara pulando em esgoto, sai, mergulha e não acontece nada."

Bolsonaro disse que muitas pessoas no Brasil já devem ter se contaminado pela covid-19 nas últimas semanas, mas não apresentaram sintomas e agora possuem imunidade, inclusive ele. Ainda assim, o presidente afirmou que não vai mostrar os exames que fez para testar a doença, já que mais de 20 pessoas que viajaram com ele aos EUA testaram positivo. "A minha palavra vale mais do que um pedaço de papel", reagiu.

Apesar das milhares de mortes em países como Itália (mais de 8 mil), Estados Unidos (mais de mil), Espanha (mais de 4 mil) e China (mais de 3 mil), Bolsonaro afirmou que "o povo foi enganado" sobre a gravidade da infecção e que a previsão de milhares de mortes não se confirmou.

Ele também aposta no uso da hidroxicloroquina como saída para curar infecções, embora ainda não haja comprovação científica da eficácia. "Até agora, do pessoal que estou falando, é 100% a efetividade que está sem notando, 100%", disse. Mais cedo, ele mostrou o medicamento durante reunião com líderes do G20.



Relacionados

Brasil | 26-05-2020 07:50

Empresa promovida por Trump pode fornecer testes ao Brasil

Empresa promovida por Trump pode fornecer testes ao Brasil

Brasil | 26-05-2020 07:36

Pará tem ruas cheias após fim de bloqueio

Pará tem ruas cheias após fim de bloqueio

Brasil | 26-05-2020 07:36

Doria vai estender quarentena, mas com regras diferentes para cada região

Doria vai estender quarentena, mas com regras diferentes para cada região

Brasil | 25-05-2020 21:25

Ministério da Saúde orienta construção de hospitais de campanha em último caso

Ministério da Saúde orienta construção de hospitais de campanha em último caso

PUBLICIDADE