Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Consórcio negocia venda da concessão da linha 6 do Metrô de SP

28/07/17 às 22:00 - Escrito por Estadão Conteúdo
siga o Tarobá News no Google News!

Com as obras paralisadas há dez meses, o consórcio responsável pela construção da Linha 6-Laranja do Metrô de São Paulo negocia com uma empresa internacional a venda da concessão do ramal que vai ligar a zona norte ao centro da capital (Brasilândia-São Joaquim), também conhecido como "linha das universidades".

A informação foi divulgada nesta sexta-feira, 28, pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB), que assinou, em dezembro de 2013, o contrato de Parceria Público-Privada (PPP) com o Consórcio Move São Paulo, composto, à época, pelas empresas Odebrecht, Queiroz Galvão, UTC Participações e pelo Fundo Eco Realty.

As obras da Linha 6 começaram em janeiro de 2015, mas, em setembro de 2016, o consórcio paralisou integralmente a construção alegando dificuldades na obtenção de financiamento de longo prazo junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Isso porque três das empresas (Odebrechet, Queiroz Galvão e UTC) estão envolvidas em escândalos de corrupção investigados pela Operação Lava Jato.

Leia mais:

Imagem de destaque
POR MAIS UM ANO

Justiça Federal nega novo pedido de transferência de Ronnie Lessa

Imagem de destaque
"MUITO TEMPO NO CARGO"

Lula elogia atuação de Padilha na articulação política

Imagem de destaque
APÓS VETOS

Entenda em quais casos a saidinha de presos fica permitida ou proibida

Imagem de destaque
DECLARAÇÃO IMPORTANTE

Exportações ajudarão país a diminuir desigualdade social, diz Lula

A negociação é confidencial e tem validade de 60 dias. A compra da concessão da Linha 6 por uma outra empresa é a melhor solução para o governo Alckmin, que conseguiria retomar a obra mais rápido. "Caso o acordo tenha êxito, o governo não precisará relicitar e as obras serão retomadas ainda neste semestre", afirmou a Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos.

Por causa da negociação, a Move São Paulo solicitou à pasta dois meses para a conclusão das análises jurídica, financeira e técnica da oferta. Caso o negócio não dê certo e a concessionária não consiga dar prosseguimento às obras, o governo paulista poderá decretar a caducidade do contrato e iniciar um novo processo licitatório, o que demoraria pelo menos seis meses.

Com 15 estações e 15,3 km, a Linha 6 deve transportar mais de 633 mil pessoas por dia e chegou a ter a inauguração prometida por Alckmin para 2018 - a obra, porém, aparece como promessa de campanha do tucano desde as eleições de 2010. Até agora, contudo, somente 15% foram executados. O último prazo de entrega dado pelo governador foi 2021.

O governo alega que não tem pendências junto à concessionária que impeçam a retomada das obras e que já gastou R$ 694 milhões na PPP como contrapartida de obras civis e R$ 979 milhões para pagamento das desapropriações de 371 ações. Segundo a secretaria, as multas aplicadas ao consórcio por causa da paralisação já somam R$ 27,8 milhões.

© Copyright 2023 Grupo Tarobá