Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Empresário é preso preventivamente suspeito de estupro

11/04/24 às 14:54 - Escrito por UOL
siga o Tarobá News no Google News!

Um empresário do setor de cultura de Recife foi preso nesta quinta-feira (11) por suspeita de estupro. A defesa diz que caso é "um show midiático político".


O que aconteceu


Rodrigo Dib Cavalheira, de 35 anos, foi preso preventivamente por estupro de vulnerável. Ele foi detido no bairro de Boa Viagem, informou a Polícia Civil.

Leia mais:

Imagem de destaque
PUBLICADA

MP do Auxílio Reconstrução do Rio Grande do Sul entra em vigor

Imagem de destaque
COMBATE À DESINFORMAÇÃO

Compartilhe a verdade: informações seguras sobre as chuvas no RS

Imagem de destaque
MINISTRO ANUNCIOU

Autoridade federal vai atuar no Rio Grande do Sul durante calamidade

Imagem de destaque
SEGUNDO GOVERNO

RS: com 3% da população gaúcha, Canoas lidera ranking de desabrigados


A prisão, em razão de ''crimes contra mulheres'', foi expedida pela 18ª vara crimina da capital. O empresário foi levado para 1ª Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, em Santo Amaro. O Tribunal de Justiça informou que o caso está em segredo e outras informações não puderam ser passadas.


Carvalheira é dono de um restaurante e já foi secretário de Turismo de São José da Coroa Grande. Ele acumula fotos com políticos e famosos nas redes sociais. A família dele é conhecida por ser dona de uma produtora de eventos, envolvida em grandes celebrações de Carnaval.


O que diz a defesa


O empresário disse ser inocente. "Tudo será apresentado. Sou inocente. São muito minhas amigas e eu acho incrível que está acontecendo isso", afirmou a jornalistas na saída da delegacia, em imagens mostradas pela TV Globo.


Advogada chamou caso de "show midiático político''. Em nota, Graciele Queiroz escreveu que a prisão de Rodrigo causou "espanto e estranheza" para todos, mas que sua inocência será provada.


A defesa disse ainda que Carvalheira se colocou à disposição da polícia para prestar esclarecimentos e colaborar. ''Os fatos narrados são graves, porém baseados unicamente na opinião da autoridade policial e na coleta de depoimentos'', afirmou.


Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá