Receita apreende 325 quilos de cocaína em carga de café exportação

Estadão Conteúdo
Brasil | Publicado em 14/05/2019 às 16:50

A Alfândega da Receita do Porto de Santos interceptou nesta segunda, 13, uma partida de 325 kg de cocaína escondidos em uma carga de exportação com destino à Europa.

Por meio da análise de risco e com base em imagens de escâner e outros critérios específicos, a Equipe da Alfândega de Santos selecionou uma carga de exportação de café, destinada ao Porto de Antuérpia, na Bélgica.

A Assessoria de Comunicação Institucional da Alfândega da Receita no porto informou que houve sinalização positiva dos cães de faro para a presença de entorpecentes, aumentando as suspeitas.

Procedendo-se à verificação física do contêiner, a equipe localizou, no seu interior, na altura da segunda fileira, onze sacos de juta com características diferentes dos demais.

Abertos, os onze sacos revelaram conter, em meio ao café, sacos de ráfia reciclada que continham, por sua vez, diversos tabletes de uma substância branca aparentando ser cloridrato de cocaína, totalizando 325 kg.

Suspeita-se da técnica criminosa denominada "rip-on/rip-off", em que a droga é inserida em uma carga lícita sem o conhecimento dos exportadores e importadores.

A droga interceptada pela Receita foi entregue à Delegacia de Polícia Federal de Santos, que prosseguirá com as investigações.



Relacionados

Brasil | 18-07-2019 12:30

Bolsonaro diz que seguirá decisão de equipe sobre PL que inclui autistas no Censo

Bolsonaro diz que seguirá decisão de equipe sobre PL que inclui autistas no Censo

Brasil | 18-07-2019 11:35

MP do Ceará pede prisão de prefeito afastado por abusar de pacientes

MP do Ceará pede prisão de prefeito afastado por abusar de pacientes

Brasil | 18-07-2019 10:57

Abono do PIS/Pasep começa a ser pago na próxima quinta-feira

Abono do PIS/Pasep começa a ser pago na próxima quinta-feira

Brasil | 18-07-2019 08:20

'Temos desafios diários, mas é o momento mais grave', diz procurador da Lava Jato

'Temos desafios diários, mas é o momento mais grave', diz procurador da Lava Jato