Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Ex-funcionário de banco gerou prejuízo de pelo menos R$ 300 mil em Apucarana

10/04/24 às 17:13 - Escrito por TN Online
siga o Tarobá News no Google News!

O ex-funcionário de uma agência do Itaú Unibanco de Apucarana (PR) gerou prejuízo de aproximadamente R$ 300 mil às duas vítimas identificadas pela Polícia Civil. O suspeito, que tem 22 anos, foi preso preventivamente na manhã desta quarta-feira (10) em Arapongas, cidade onde reside, e foi encaminhado à 17ª Subdivisão Policial (SDP). O nome dele não foi divulgado.


De acordo com a delegada Luana Lopes, titular da Delegacia da Mulher, as duas vítimas identificadas até o momento são idosas que tiveram empréstimos contratados em seus nomes pelo ex-funcionário e sem autorização. Segundo a polícia, o montante foi transferido para contas de terceiros que também estão sendo investigados.


"Vamos continuar averiguando a participação de outras pessoas, tendo em vista que o dinheiro não era depositado na conta dele, e sim, na conta de outras pessoas", afirmou a delegada.

Leia mais:

Imagem de destaque
FERIMENTOS LEVES

Motociclista fica ferido após colidir com carro na zona norte de Londrina

Imagem de destaque
COMPETIÇÃO!

Vote para escolher o participante destaque do Desafio do Hambúrguer!

Imagem de destaque
ENTENDA

Tribunal de Justiça determina gestão adequada de cooperativas de coleta

Imagem de destaque
SOLIDARIEDADE

ONG que atende crianças com câncer será beneficiada com o Dia da Bondade


A polícia também solicitou informações ao Itaú Unibanco sobre outras possíveis vítimas do estelionatário. "Estamos em contato com o banco para que nos passe os nomes dessas vítimas para imputar o delito de estelionato em relação a essas pessoas", disse.


Após ser preso, o ex-funcionário do banco foi interrogado pela polícia, mas ficou em silêncio. De acordo com a delegada, durante a prisão foi possível constatar que o suspeito mantém um padrão de vida elevado, incompatível com o salário que recebia como agente de negócios.


"O salário é incompatível com o carro que ele utiliza, com o telefone. É incompatível com os bens que ele utiliza. Isso afirma ainda mais a prática do delito de estelionato", acrescentou a delegada.


Por cometer crime contra idosos, o homem deve responder por estelionato qualificado com pena de quatro anos de prisão.

Notícias relacionadas

© Copyright 2023 Grupo Tarobá