Londrina
Cascavel
  • Londrina
  • Cascavel

Funcionária denuncia vereador de Cambé por assédio sexual

22/06/22 às 18:53 - Escrito por Redação Tarobá News
siga o Tarobá News no Google News!

Uma funcionária da Câmara de Cambé acusa um vereador de assédio sexual. Andressa de Jesus é auxiliar de limpeza e teria sido assediada pelo vereador, Luiz Carlos de Melo, conhecido como Carlinhos da ambulância.


A funcionária está abalada e preferiu não mostrar o rosto. Ela conta que estava na cozinha e aguardava a colega de trabalho terminar de lavar os utensílios de serviço, quando teria sido abordada pelo vereador.

Leia mais:

Imagem de destaque
ACIDENTE DO DIA 8

Morre jovem que foi atropelada por carro na contramão na zona sul de Londrina

Imagem de destaque
AGENDAMENTO PRÉVIO

Praça de Atendimento da Fazenda abre neste sábado (24) para plantão do IPTU 2024

Imagem de destaque
SEGURANÇA

Quase 250 inspetores escolares iniciam atividades na rede municipal de ensino

Imagem de destaque
MAIOR DO ANO NO PAÍS

PRF e Receita Federal apreendem meia tonelada de cocaína em caminhão de cavalos


“Ele entrou até a cozinha, ficou andando por algum tempo, sentou do meu lado e estava muito incomodado. Ele veio até à minha frente, tocou na minha cabeça e fez a cena como se eu estivesse fazendo sexo oral.

Houve o toque na minha cabeça e na minha bunda. Levantei e pedi respeito para ele. Não é a primeira vez que isso acontece. Houve assédios físico e verbal”, diz a funcionária.


Andressa foi à Delegacia e fez um boletim de ocorrência. O inquérito foi aberto e o vereador está sendo investigado por assédio sexual.


A advogada da funcionária, Bruna Ferraresso, informou que também pretende processá-lo na esfera cível por danos morais e solicitou ao município a abertura de uma sindicância.


Andressa trabalha para uma terceirizada. A empresa foi informada sobre o ocorrido e mudou a funcionária de função para evitar que ela tenha contato com o vereador e também encaminhou um documento à Câmara cobrando providências.


O presidente da Casa enviou o documento e o boletim de ocorrência para a assessoria jurídica que terá sete dias para elaborar um relatório indicando quais medidas devem ser tomadas.


“A primeira providência tomada foi o encaminhamento desse documento protocolado pela empresa terceirizada à nossa assessoria jurídica para que nos oriente qual é o caminho jurídico correto. Provavelmente a assessoria poderá orientar pelo encaminhamento à comissão de ética, formação de uma comissão processante”, afirma o presidente da Câmara, Fernando de Lima.


A equipe de reportagem procurou o vereador Carlinhos da ambulância, que não atendeu às ligações. Ele encaminhou uma mensagem de áudio em grupos de WhatsApp em que nega as acusações.


"Eu não fiz absolutamente nada, nenhum gesto, nada. As meninas que estavam na cozinha podem comprovar que nada de fato aconteceu”. 

© Copyright 2023 Grupo Tarobá